« Las Vegas prepara-se para mais uma edição da CES EQualite Gaming Season abriu »
O Groovshark é provavelmente dos sites que mais tenho visitados nos últimos meses. Apenas e só porque gosto imenso de do design e da interface da página. Nada mais. Factos como as mais de 7 milhões de músicas em alta qualidade disponíveis para ouvir, a possibilidade de aceder às nossas playlists e músicas favoritas a partir de um qualquer computador com Internet, a facilidade em descobrir novas bandas e novas músicas, tudo isto completamente grátis, são factos que verdadeiramente me ultrapassam e aos quais não dou a mínima importância. Deduzo que vocês também não
Modelo de negócio
O Grooveshark é um serviço de streaming (com tendências e incentivos à partilha) de música , já com alguns anos nestas lides da Web. Começou inicialmente por ser um conceito revolucionário, acessível apenas por convite, em que os utilizadores faziam upload de música e ganhavam algum dinheiro com isso, sendo que esse dinheiro era distribuído pela editora, pelo Grooveshark e o restante pelo utilizador. Era uma ideia revolucionária, mas para a época, certamente condenada à pressão das editoras. Mas a web evoluiu e actualmente o modelo de negócio ainda reside na mesma base de dados que recebeu as primeiras músicas há alguns anos, mas numa aproximação diferente: Continuam a ser os utilizadores a fazer upload de música, mas o Grooveshark tem um acordo com a todo-poderosa editora EMI, em relação às licenças das músicas. Os fundos para o acordo vêm dos anúncios do Grooveshark, sim anúncios!, porque a interface “normal” do Grooveshark é mesmo esta:
Apesar do dinheiro resultantes dos anúncios, nem todas as músicas que são enviadas para o Grooveshark pelos utilizadores são licenciadas pela EMI e tendo em conta o volume de uploads diários, diria que em certas situações a legalidade do Grooveshark pode ser posta em causa. Mas só em certas situações, e acho que depois de perceberem o quão fantástico é, quaisquer questões legais vão ser rapidamente secundarizadas. Até porque,e convém adicionar, muita da música presente no Grooveshark é também adicionada por algumas editoras e artistas independentes, já que o Grooveshark lhes disponibiliza gratuitamente dados estatísticos e geográficos de quem ouve as suas músicas. Uma maneira de divulgação moderna e web 2.0, relembrando e incentivando algumas das ascensões musicais meteóricas que a web já presenciou.

screenshot_006O Grooveshark é provavelmente dos sites que mais tenho visitados nos últimos meses. Apenas e só porque gosto imenso do design e da interface da página. Nada mais. Factos como as mais de 7 milhões de músicas em alta qualidade disponíveis para ouvir, a possibilidade de aceder às nossas playlists e músicas favoritas a partir de um qualquer computador com Internet, a facilidade em descobrir novas bandas e novas músicas, tudo isto completamente grátis, são factos que verdadeiramente me ultrapassam e aos quais não dou a mínima importância. Deduzo que vocês também não ;-)

Modelo de negócio

O Grooveshark é um serviço de streaming (com tendências e incentivos à partilha) de música , já com alguns anos nestas lides da Web. Começou inicialmente por ser um conceito revolucionário, acessível apenas por convite, em que os utilizadores faziam upload de música e ganhavam algum dinheiro com isso, sendo que esse dinheiro era distribuído pela editora, pelo Grooveshark e o restante pelo utilizador. Era uma ideia revolucionária, mas para a época, certamente condenada à pressão das editoras. Mas a web evoluiu e actualmente o modelo de negócio ainda reside na mesma base de dados que recebeu as primeiras músicas há alguns anos, mas numa aproximação diferente: Continuam a ser os utilizadores a fazer upload de música, mas o Grooveshark tem um acordo com a todo-poderosa editora EMI, em relação às licenças das músicas. Os fundos para o acordo vêm dos anúncios do Grooveshark, sim anúncios!, porque a interface “normal” do Grooveshark é mesmo esta:

screenshot_007Apesar do dinheiro resultante dos anúncios, nem todas as músicas que são enviadas para o Grooveshark pelos utilizadores são licenciadas pela EMI e tendo em conta o volume de uploads diários, diria que em certas situações a legalidade do Grooveshark pode ser posta em causa. Mas só em certas situações, e acho que depois de perceberem o quão fantástico é, quaisquer questões legais vão ser rapidamente secundarizadas. Até porque,e convém adicionar, muita da música presente no Grooveshark é também adicionada por algumas editoras e artistas independentes, já que o Grooveshark lhes disponibiliza gratuitamente dados estatísticos e geográficos de quem ouve as suas músicas. Uma maneira de divulgação moderna e web 2.0, relembrando e incentivando algumas das ascensões musicais meteóricas que a web já presenciou.

No início

Ao acedermos ao Grooveshark, a coisa mais notória, para além da sublime, vistosa, e mesmo assim atractiva interface, é a caixa de pesquisa. Sim, mesmo sem estar registado é possível pesquisar e ouvir música, rapidamente, sem meias medidas. Uma pesquisa, por, pela banda portuguesa Tara Perdida, retorna imensos resultados. Duplo-clique numa música, ela será imediatamente reproduzida, ou podemos simplesmente optar por clicar em Play All e todas as músicas da lista serão tocadas automaticamente. Existe também a possibilidade de ordenar as músicas por Popularidade (o que cria uma funcionalidade bastante semelhante à Top Hits do “concorrente” Spotify, quem conhece sabe do que falo ;-)), por artistas, por álbuns e alfabeticamente. E podemos também filtrar a nossa pesquisa, indicando se a palavra-chave é uma música, um cantor, um álbum, uma lista de reprodução de outros utilizadores, ou um outro utilizador do Grooveshark.

search_grooveshark

A interface

Já disse que a interface do Grooveshark é fantástica? Misturar as maravilhas do webdesign de hoje, cores vivas, o irrepreensível, “esguio” mas sempre elegante estilo iTunes, parece ser uma excelente opção. Em certos detalhes é um estilo algo retro, fazendo lembrar uma jukebox, e, contrabalançado com o moderno presente na restante página, resulta… Bem, já disse que a interface do Grooveshark é fantástica? :-D

Ao fundo da página, temos os controlos básicos, normais em qualquer reprodutor de música. Botão para pausa/reprodução dinâmico, indicador de avanço da música, botões para activar a repetição e aleatoriedade na reprodução de músicas, e também um pequeno controlador de volume. Sim, o Grooveshark tem um controlo de volume interno e independente do sistema.

Outro fantástico aspecto é que, quando clicamos numa música, essa barra automaticamente expande-se, mostrando a capa do álbum, e dos seguintes que entretanto tenhamos adicionado às músicas para reprodução ( enquanto uma música reproduz, podemos navegar pelo site do Grooveshark calmamente, e adicionar outras músicas e álbuns para reprodução, que a música actual continua em reprodução). A partir dessa expansão, podemos gerir a playlist, removendo músicas ou avançando directamente para uma certa música. Essa barra expansível pode ser escondida ou minimizada, caso ocupe demasiado espaço no ecrã.

Já agora, e fica a dica, para adicionar uma música/álbum à lista de reprodução do Grooveshark, basta clicar no símbolo “+“, presente na interface:

Gostaria só de notar, não acham aquele pormenor da interface, que faz a separação entre Songs, Artists, Albums, Playlists, People, bastante semelhante às abas no Android?

E finalmente, aquela barra lateral do Grooveshark, é redimensionável! Especialmente útil para quem o esteja a usar em ecrãs limitados ou em resoluções baixas.

Abunda música no mar?

Os dados oficiais apontam para mais de 7 milhões de músicas na base de dados, mas o número aumenta diariamente com o crescente número de utilizadores a enviarem um crescente número de músicas. Fruto da minha utilização quase diária do Grooveshark, acho que estou em condições de afirmar que a base de dados é bastante abrangente e completa. Mesmo em termos de música portuguesa, encontramos várias bandas e cantores, talvez não o reportório completo mas ainda assim uma boa compilação. Por exemplo:

Se bem que, por vezes, se peque por excesso :-D:

E mesmo falando internacionalmente, temos grandes êxitos e grandes bandas, dentro de todos os géneros, facilmente acessíveis:

Portanto, e, acreditem, qualquer banda muito estranha ou sonoridade mais remotamente improvável, é capaz de marcar presença no Grooveshark. Porque certamente, na diversidade de utilizadores do Grooveshark, algum terá gostos semelhantes aos seus. Se não, basta fazer upload, da música, em alta qualidade! :-)

Qualitativamente falando…

Já vimos que música, no Grooveshark, é algo que certamente não falta. E quanto à qualidade desta? Tendo em conta que são, normalmente, editoras e utilizadores a fazer o upload de música para o serviço, não é (não devia ser) do interesse de nenhum destes ter música de fraca qualidade na sua colecção. Nas minhas já longas divagações pelo Grooveshark, posso garantir que, mesmo depois de centenas(milhares?) de músicas “consumidas”, talvez 1 ou 2 tinham fraca qualidade, mas continuavam a ser, vejamos, “audíveis”. Não posso precisar bitrates, mas posso afirmar que a qualidade é exactamente igual à maioria das músicas que a maioria de nós guarda no seu computador. Apenas o ouvido mais atento e treinado apontará defeitos a grande parte dos títulos presentes, e, felizmente, tal ouvido não está, normalmente, “ao alcance” do comum dos mortais ;-)

E fica o repto, porque não retribuir e ajudar a comunidade Grooveshark, fazendo upload de algumas músicas? O bem visível botão para contribuição nesta grande enciclopédia musical levá-lo-á a uma ferramenta de upload em Java, que lhe permitirá fazer upload de pastas de música ou apenas ficheiros, reduzindo o já simples processo a meros segundos. E por favor, não enviem música já existente na base de dados, o resultado será apenas menos espaço livre no servidor, desnecessariamente ;-)

Caso encontre alguma música com problemas, sejam de qualidade, sejam dificuldades na reprodução, erros no nome, artista ou álbum, não deixe de utilizar a ferramenta Flag:

Registar porque…

Mas a verdadeira potencialidade do Grooveshark começa a demonstrar-se. O registo é simples: um clique em Create Account, no canto superior direito, preencher com os dados habituais, e confirmar o registo.

Já registados, a partir de agora todas as mudanças que fizermos serão gravadas e acessíveis a partir de qualquer computador. Talvez começando pela barra lateral do Grooveshark:

O separador Home, simplesmente nos leve à página inicial do Grooveshark, onde domina a página de pesquisa.

O My Library é outra das genialidades do Grooveshark. Por entre os milhares de músicas com que nos deparamos no Grooveshark, é sempre útil guardar algumas, ficaram facilmente acessíveis e disponíveis. A Library – Biblioteca – pretende isso mesmo. Adicione músicas à sua biblioteca, é como ter a bibilioteca de músicas que tem no seu computador, mas ao mesmo tempo ter acesso a uma infinidade de sonoridades à distância de um clique. Uma biblioteca móvel, acessível em qualquer computador no mundo, infinitamente expansível e em grande qualidade. O “Santo Graal” de todos nós donos de uma colecção de música? Provavelmente. Resta adicionar que todos os seus uploads de música para o Grooveshark serão automaticamente adicionados à sua biblioteca, portanto, se for corajoso e tiver uma ligação à Internet à altura, faça upload de toda a sua biblioteca de músicas, apesar de que existe uma grande probabilidade de todas elas já marcarem presença no Grooveshark.

Em People, entra em acção a componente social do Grooveshark. Algo de que vou falar mais à frente, e mais detalhadamente.

Em Favorites, ficam as suas músicas favoritas. Sejam da sua biblioteca, sejam de todo o Grooveshark, aquelas fantásticas músicas, épicos sonoros, obras primas da conjugação de sons, têm que ter um lugar aqui :-D. Pode marcar uma música como favorita enquanto a ouve ou directamente na área de pesquisa. Mas lá iremos.

O Current Songs lista todas as músicas que ouviu ou adicionou para reprodução nesta sua sessão de “Groovesharking“. É possível automaticamente adicionar todas essas músicas à nossa biblioteca ou exportá-las como uma lista de reprodução.

Na secção de Smart Playlists, temos algumas listas de música dinâmicas. Popular lista as músicas mais ouvidas pelos utilizadores do Grooveshark, uma boa opção para acompanhar as tendências. Recent mostra-nos a música que ouvimos no Grooveshark nos últimos dias. Ideal para acompanhar as nossas próprias tendências :-D E claro, ambas estas listas podem ser exportadas para uma playlist ou adicionadas à biblioteca.

E finalmente, na secção Playlists, temos as já tão faladas listas de reprodução criadas por nós. E a opção para criarmos uma ;-)

A pesquisa para utilizadores registados também se torna em algo deveras mais poderoso.

O utilizador registado também tem a possibilidade de aplicar temas ao seu Grooveshark, com a galeria de temas grátis (sim, existem temas para utilizadores pagantes) cada vez maior “espampanante” :-D:

E, finalizando em beleza, sabiam que é possível arrastarem, literalmente, músicas da pesquisa, para a sidebar do Grooveshark, onde se encontram as suas listas de reprodução e biblioteca? Além de extremamente útil, facilmente se comprova a sua eficácia:

Continua na página 2

Este artigo foi escrito por em 06 Jan, 2010, e está arquivado em Destaques, Dicas, Internet. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
20 comentários em “Grooveshark: foi você que pediu milhões de músicas grátis para ouvir na web?”
  1. uma boa análise de facto! parabéns!

  2. Grande análise Daniel!

    Está completa e detalhada. Parabéns pelo imenso trabalho.

    Sem dúvida que este é um dos sites que já não dispenso…posso ouvir o que quero com boa qualidade e sem problemas de lentidão (como o Youtube).

  3. Excelente site e analise Danel!!!

  4. Lycanthrope diz:

    Bem, não poderia deixar passar este post em branco sem te dar os parabéns pelo feito :). Muito bom e detalhado… um serviço a experimentar. Quanto a gostos musicais… TARA PERDIDA?? UAU, very nice :)
    Parabéns e keep up the good work.

    Cumps

  5. @mario, @lycantrophe Os tara perdida são, sem dúvida alguma, os “filhos” dos xutos. Excelente banda! Quanto a gostos musicais, aquele álbum da regina spektor sua aparece por aí, algures numa screenshot, chamado “fidelity”, embora num estilo mais calmo, é igualmente muito bom ;-) (added by Mobile using Mippin)

  6. Bom…
    Eu andava a usar o ijigg, mas este parece me melhor…
    I shall give it a try…

    Parabéns pela trabalhosa review!!
    Cumps.

  7. Lycanthrope diz:

    @Daniel Rodrigues, @Mario, numnca tinha feito tal paralelismo entre tara perdida e xutos… seclahar por não gostar muito de xutos. Para já, acho que as temáticas abordadas pelos dois grupos são muito distintos… sendo os Tara perdida mais alternativos…
    Só a minha opinião, claro.

    Cumps

  8. muito bom esta análise e o site também.

  9. Para quem decidir remover a publicidade do lado direito (para efeitos estéticos) poderá utilizar o User Styles como extensão (Firefox) e utilizar a seguinte folha de estilos: http://userstyles.org/styles/23238

    ;)

    • Por acaso tinha “escondido” essa e outra dica algures no post, mas parece que ninguém reparou. :D
      Aliás, tinha escondido até 2 dicas de como remover os anúncios? 2ª página, anyone?

      • Muito bem escondido (essa dos s’s é a primeira vez que vejo :)

        Sabes uma coisa? Apenas li em diagonal o artigo, pois também uso o Grooveshark há anos.

        Mas para quem não conhecia, fizestes um artigo muito bom mesmo. Continua assim ;)

  10. Epah! Muito Bem! Grande Post!!!

  11. Sam`s Town!! O álbum da década! Obrigado pelo site!

  12. Extensa mas de fácil leitura! Abrangente e detalhada!

    Só tenho duas palavras PARABÉNS DANY!!!

  13. Freitas diz:

    Excelente Análise mesmo
    grande grooveshark.

  14. Cara com relação ao upload de músicas. Sabe como é o processo? Fiz alguns uploads mas ainda não estão disponíveis.

    Abraço!

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: