« SUMo – Software Update Monitor Panda Cloud Antivirus, a protecção da «nuvem» »
28/10/2010
Escrito por em Dicas | 2.376 Leituras

Este é um artigo do Gonçalo A. para o KeroDicas.com

Verdade seja dita: os dinossauros sempre existiram e os dragões “míticos” que voavam e cuspiam fogo também já foram cientificamente credenciados pela sua existência ter sido real! Falando por mim, ainda espero pelo momento de ressuscitar esses “mostrengos”, não é? Mas como isso não é possível, decidi – com expresso rejubilo do Mário – ressuscitar uma rubrica perdida na história do KeroDicas.com: “Coffee Break, faça uma pausa de 10 segundos”.

Nesta 2ª temporada do Coffee Break e ultrapassada a silly season venho apresentar uma pertinente dica, rápida, para os iniciados em Ubuntu, principalmente aqueles que vieram do MS Windows. Muitos dos utilizadores do Windows, estão habituados a ter o enigmático “o meu computador” como janela de primeiro socorro de exploração do PC, não é? O procedimento de clicar com o lado direito do rato e procurar a opção de personalizar o ambiente de trabalho para colocar lá o visto no “o meu computador” é o standard no Windows, certo? Então para quem já andou às voltas à procura de algo semelhante no Ubuntu e para os que ainda não se iniciaram – mas estão em vista de… – esta é para vocês.

Não se assustem com o que possa ser preciso fazer no Ubuntu, porque de facto é bastante intuitivo se pensarem nisso, um simples drag & drop. Comecemos!

Como podem observar, assim que tiverem com o cursor do rato sobre o “Computador” cliquem e mantenham pressionado e arrastem o ícone para qualquer parto do ambiente de trabalho – drag.

Depois é só passar à segunda fase – drop – larguem o botão do rato no sítio do ambiente de trabalho que desejarem e voilá!!!

Aí está o atalho enigmático que tanto jeito pode dar, assim como dar aquele calor de ambiente hospitaleiro de um lugar conhecido. Agora já podem abusar e explorar.

Espero que seja útil… alguma coisa já sabem que a secção de comentários existe para isso mesmo!

P.S: Só de referir que esta dica foi apresentada e testada no Ubuntu 10.10 pelo que não posso garantir se o procedimento é semelhante nas versões anteriores.

Gostaram do artigo? Óptimo! Já conheciam? Ok… Conhecem quem pudesse usufruir desta dica? Então: SPREAD THE WORD

Este artigo foi escrito por em 28 Out, 2010, e está arquivado em Dicas, GNU/Linux. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: