« Gladinet Cloud Desktop, leve os seus ficheiros para todo o lado Palm Pixi »
09/09/2009
Escrito por em Downloads | 4.567 Leituras

freebsd-01-kerodicas

Segurança, performance, compatibilidade e gestão avançada de redes? só podemos estar a falar do FreeBSD. Estamos perante um S.O. livre, que oferece gratuitamente um ambiente intuitivo e que continua a ser uma das melhores opções para gestão de redes e serviços, no mundo do Linux.

O bom do FreeBSD é que, aliado ao hardware low-cost de hoje em dia, permite sacar o melhor proveito das máquinas, mesmo aquelas cujas características são mais débeis, tornando-se assim a opção mais lógica comparativamente às workstations comerciais em UNIX.

Este S.O. é ideal seja para os habituais desktops como para servidores de alto e baixo rendimento.

freebsd-02-kerodicas

Do site do programador, podemos ver, em inglês, algumas das principais características do FreeBSD:

  • SMPng: After seven years of development on advanced SMP support, FreeBSD 7.0 realizes the goals of a fine-grained kernel allowing linear scalability to over 8 CPU cores for many workloads. FreeBSD 7.0 sees an almost complete elimination of the Giant Lock, removing it from the CAM storage layer and NFS client, and moving towards more fine-grained locking in the network subsystem. Significant work has also been performed to optimize kernel scheduling and locking primitives, and the optional ULE scheduler allows thread CPU affinity and per-CPU run queues to reduce overhead and increase cache-friendliness. The libthr threading package, providing 1:1 threading, is now the default. Benchmarks reveal a dramatic performance advantage over other UNIX® operating systems on identical multicore hardware, and reflect a long investment in SMP technology for the FreeBSD kernel.
  • ZFS filesystem: Sun’s ZFS is a state-of-the-art file system offering simple administration, transactional semantics, end-to-end data integrity, and immense scalability. From self-healing to built-in compression, RAID, snapshots, and volume management, ZFS will allow FreeBSD system administrators to easily manage large storage arrays.
  • 10Gbps network optimization: With optimized device drivers from all major 10gbps network vendors, FreeBSD 7.0 has seen extensive optimization of the network stack for high performance workloads, including auto-scaling socket buffers, TCP Segment Offload (TSO), Large Receive Offload (LRO), direct network stack dispatch, and load balancing of TCP/IP workloads over multiple CPUs on supporting 10gbps cards or when multiple network interfaces are in use simultaneously. Full vendor support is available from Chelsio, Intel, Myricom, and Neterion.
  • SCTP: FreeBSD 7.0 is the reference implementation for the new IETF Stream Control Transmission Protocol (SCTP) protocol, intended to support VoIP, telecommunications, and other applications with strong reliability and variable quality transmission through features such as multi-path delivery, fail-over, and multi-streaming.
  • Wireless: FreeBSD 7.0 ships with significantly enhanced wireless support, including high-power Atheros-based cards, new drivers for Ralink, Intel, and ZyDAS cards, WPA, background scanning and roaming, and 802.11n.
  • New hardware architectures: FreeBSD 7.0 includes significantly improved support for the embedded ARM architecture, as well as preliminary support for the Sun Ultrasparc T1 platform.
  • A merged virtual memory and filesystem buffer cache continuously tunes the amount of memory used for programs and the disk cache. As a result, programs receive both excellent memory management and high performance disk access, and the system administrator is freed from the task of tuning cache sizes.
  • Compatibility modules enable programs for other operating systems to run on FreeBSD, including programs for Linux, SCO UNIX, and System V Release 4.
  • Soft Updates allows improved filesystem performance without sacrificing safety and reliability. It analyzes meta-data filesystem operations to avoid having to perform all of those operations synchronously. Instead, it maintains internal state about pending meta-data operations and uses this information to cache meta-data, rewrite meta-data operations to combine subsequent operations on the same files, and reorder meta-data operations so that they may be processed more efficiently. Features such as background filesystem checking and file system snapshots are built on the consistency and performance foundations of soft updates.
  • File system snapshots, permitting administrators to take atomic file system snapshots for backup purposes using the free space in the file system, as well as facilitating background fsck, which allows the system to reach multiuser mode without waiting on file system cleanup operations following power outages.
  • Support for IP Security (IPsec) allows improved security in networks, and support for the next-generation Internet Protocol, IPv6. The FreeBSD IPsec implementation includes support for a broad range of accelerated crypto hardware.
  • Out of the box support for IPv6 via the KAME IPv6 stack allows FreeBSD to be seamlessly integrated into next generation networking environments. FreeBSD even ships with many applications extended to support IPv6!
  • Multi-threaded SMP architecture capable of executing the kernel in parallel on multiple processors, and with kernel preemption, allowing high priority kernel tasks to preempt other kernel activity, reducing latency. This includes a multi-threaded network stack and a multi-threaded virtual memory subsystem. Beginning with FreeBSD 6.x, support for a fully parallel VFS allows the UFS file system to run on multiple processors simultaneously, permitting load sharing of CPU-intensive I/O optimization.
  • M:N application threading via pthreads permitting threads to execute on multiple CPUs in a scalable manner, mapping many user threads onto a small number of Kernel Schedulable Entities. By adopting the Scheduler Activation model, the threading approach can be adapted to the specific requirements of a broad range of applications.
  • Netgraph pluggable network stack allows developers to dynamically and easily extend the network stack through clean layered network abstractions. Netgraph nodes can implement a broad range of new network services, including encapsulation, tunneling, encryption, and performance adaptation. As a result, rapid prototyping and production deployment of enhanced network services can be performed far more easily and with fewer bugs.
  • TrustedBSD MAC Framework extensible kernel security, which allows developers to customize the operating system security model for specific environments, from creating hardening policies to deploying mandatory labeled confidentiality of integrity policies. Sample security policies include Multi-Level Security (MLS), and Biba Integrity Protection. Third party modules include SEBSD, a FLASK-based implementation of Type Enforcement.
  • TrustedBSD Audit is a security event logging service, providing fine-grained, secure, reliable logging of system events via the audit service. Administrators can configure the nature and granularity of logging by user, tracking file accesses, commands executed, network activity, system logins, and a range of other system behavior. Audit pipes allow IDS tools to attach to the kernel audit service and subscribe to events they require for security monitoring. FreeBSD supports the industry-standard BSM audit trail file format and API, allowing existing BSM tools to run with little or no modification. This file format is used on Solaris and Mac OS X, allowing instant interoperability and unified analysis.
  • GEOM pluggable storage layer, which permits new storage services to be quickly developed and cleanly integrated into the FreeBSD storage subsystem. GEOM provides a consistent and coherent model for discovering and layering storage services, making it possible to layer services such as RAID and volume management easily.
  • FreeBSD’s GEOM-Based Disk Encryption (GBDE), provides strong cryptographic protection using the GEOM Framework, and can protect file systems, swap devices, and other use of storage media.
  • Kernel Queues allow programs to respond more efficiently to a variety of asynchronous events including file and socket IO, improving application and system performance.
  • Accept Filters allow connection-intensive applications, such as web servers, to cleanly push part of their functionality into the operating system kernel, improving performance.

Licença: FreeBSD – “Este é uma licença de não-copyleft permissiva compatível com a GNU FDL.” – Free Software Foundation
Homepage: FreeBSD
Download: FeeBSD 8.0 Beta 4 – distribuições .ISO

Este artigo foi escrito por em 09 Set, 2009, e está arquivado em Downloads, Sistemas Operativos, Software. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
8 comentários em “FreeBSD, o «gladiador» dos sistemas operativos”
  1. Tá mt longo o texto, torna-se secante LOL

  2. Guilherme de Sousa diz:

    "no mundo do Linux."

    BSD NAO é LINUX.

    podiam ter falado do basico.. neste caso o gestor de ficheiros 'ports' q vem com a maior parte dos BSD's se n me engano..

    acho q isto e a segurança sao os pontos chave do Free e Open BSD.

    para quem nao sabe, em BSD, o funcionamento do gestor de pacotes nao é atraves de binarios, pois o codigo é compilado para cada maquina em questao. vantagens? bem, digamos q ficam com o codigo todo ele optimizado para a vossa maquina. isto porque cada processador tem tecnologias diferentes, e que nos binarios q se costuma utilizar (tanto em linux como em windows), estes estao feitos para funcionar de forma generica, ou seja, para funcionar cm qlqr processador. se os binarios forem feitos com X tecnologia, e o processador A nao tem essa mesma tecnologia podera nao funcionar correctamente, logo sao quase sempre desprovidos(binarios) de certos tweeks. assim neste caso nao. ha um aproveitamento quase total da tecnologia do processador.

    em linux ha uma excelente distro (mas trabalhosa) q funciona com este metodo, o Gentoo (q em vez de ter apt, pacman,yum ou etc, tem o portage) tambem compilanndo tudo na hora(literalmente… pq digamos q tudo o q sejam aplicaçoes com um tamanho normal demoram bastante tempo a instalar porcausa da compillação do codigo – outro ponto q deveriam ter referido).

    se acharem q alguma informação é util acrescentem ao post;)

    cumps[]

  3. e o facto de trabalhar com um KDE, não o podemos incluir no ramo LINUX? por isso o fiz…

    • Guilherme de Sousa diz:

      so podes estar a gozar:P q é q o facto de correr com KDE faz com q seja linux?

      basta googlares um bocado e vez como a comunidade BSD afirma nao ter nada em comum com a comunidade LINUX.

      kernel linux é kernel linux, kernel bsd é kernel bsd.. (la pq macosx tmb é unix, passa se a dizer q macosx=linux=bsd ???)

      ja nao é a primeira vez q isto acontece por aqui… venho dar tipo uma dica, ou corrigir algo q ACHO q esta errado, e a resposta q tenho é sempre uma tentativa de fugida à realidade. nao tem mal nenhum admitir o erro, é humano. agr tentar dar a volta à questao nao acho mt bonito mas enfim.

      se viesse numa de critica destrutiva tinha me rido da situaçao e nao tinha postado o texto todo q esta sem cima.. q se formos a comparar ate é maior q o do proprio artigo.

      cumps

      • Não, não estou a gozar, vale o que vale mas deixo aqui o link: http://pt.wikipedia.org/wiki/Kde

        atento à frase e passo a citar: "Juntamente com o GNOME é um dos mais populares ambientes gráficos usados no Linux."

        Na minha opinião, penso que fazes bem em dar a tua sugestão que para nós vale sempre muito e é sempre bem-vinda, mas aqui não estamos para dar voltas às questões nem deixar os assuntos por meias medidas…aqui todos queremos aprender e estamos dispostos a aprender, agora o que não podemos pensar é que somos os donos da razão, principalmente nesta questão. O assunto obviamente que não é claro, pois o próprio FreeBSD é uma derivação do UNIX mas que não pode ser considerado UNIX porque não é um projecto registado.

        Por outro lado, ao não ser um projecto registado aproxima-se mais do sistema de programação POSIX que apesar de ter sido feito para sistemas Unix, os seus padrões podem ser aplicados a qualquer sistema operativo.Para sistemas Linux, várias extensões e normalizações de facto são fornecidas pelo Linux Standard Base.

        Resumindo, estou certo que nenhum de ambos tem razão! mas agradeço o desafio!

        • Guilherme de Sousa diz:

          acho q estas com alguns conceitos de logica trocados.

          apesar de KDE ser um dos DE's mais usados em Linux(concordo), isso em nada implica q tudo o q use KDE seja LINUX.

          vou te dar um exemplo meio estupido mas q se enquadra no tipo de logica proposicional:
          um carro usa rodas.
          tudo o q usa rodas é carro?
          not.

          o facto kde ser um desktop environment muito usado em linux, nao implica q tudo o que use kde seja linux.

          é certo q sao ambos UNIX, mas nao faz com q BSD e LINUX sejam a mesma coisa.

          eu ja apontei o q tinha a apontar em relação ao q achava q tinhas dito de errado, agr tu simplesmente dizes q nenhum de nos tem razao, mas nao apontas em q ponto eu estou enganado.

          e mais uma vez digo, acho q errar nao tem nada de mal, é preciso é sermos humildes e admitirmos os erros.

          cumps

  4. Não manjo nada de Linux, BSD, KDE, etc., mas quero experimentar esse FreeBSD.
    Gostaria de saber se é possível fazer a experiência no Windows 7 Build 7100.
    Alguém pode dizer-me algo?
    Grato.

    • Guilherme de Sousa diz:

      como assim, em virtualmachine? (interpretei q assim fosse pois referiste q querias 'no windows')

      a resposta é sim, podes instalar atraves de virtualmachine e brincares com o freebsd.

      mas o ideal como é obvio é instalares mesmo normalmente no pc.. ate pq dps caso queiras instalar algo no freebsd, em virtualmachine a capacidade de processamento é inferior e vais sofrer um bocado :P

      cumps;)

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: