« Mudar tema do Facebook TweakNow WinSecret, Windows com os segredos revelados »
01/12/2010
Escrito por em Análises | 8.582 Leituras

Este é um artigo do João L. para o KeroDicas.com

Faz este mês 20 anos que Tim Berners-Lee publicou a sua proposta para a “World Wide Web” e a net que Berners-Lee projectou, é hoje em dia muito mais do que links. É uma explosão de páginas, vídeos, fotos, conteúdo interactivo, mas principalmente, e desde há uns anos a esta parte, conteúdo social. O Facebook, com a sua extraordinária marca de 500 Milhões de utilizadores, veio definitivamente mostrar ao mundo que o social é o futuro da Web, é o futuro que as pessoas querem e é nisso que a Web 2.0 tem de se focar para os próximos tempos. Mas existem outras tecnologias que nos permitem ver mudar o mundo e a forma como a ele acedemos e é disso mesmo que irei falar aqui, em profundidade, um browser que promete isso mesmo….

Mas parece que neste caminho que a Web fez houve muito foco no seu conteúdo, e pouco na forma e no software que se usa para navegar nos mesmos, os browsers. Desde o tempo do Netscape e do primeiro Internet Explorer que os browsers preservam uma interface muito própria e que muitas poucas mudanças têm sofrido. Contudo parece que os utilizadores têm uma “sede” de novos elementos nos browsers, provado por pequenas mudanças que são rapidamente adoptadas na generalidade – veja-se os separadores com o Firefox em 2004 – e que rapidamente mudam todo um mercado. Esta “sede” tem vindo a merecer alguma atenção dos gigantes do software, e investidas de, por exemplo, Google no mercado dos browsers (com o Google Chrome) são provas de que, para além de a Web estar a mudar, tudo o que a acompanha tem de mudar com ela, e os browsers podem ser a chave para chamar cada vez mais pessoas para certos produtos e ganhar a guerra pela identidade da Internet dos utilizadores.

É com isto que chegamos ao RockMelt o browser mais recente a entrar numa luta de titãs e promete mudar a forma como usamos o browser. O conceito é simples e resume-se numa palavra: social. Hoje em dia grande parte dos conteúdos que consumimos na Internet têm como finalidade a partilha com os amigos. E o que dantes acontecia com dezenas de emails emails nas caixas das pessoas, hoje resume-se a partilhas em sites sociais, e a partir dai as pessoas ligadas a nós podem ver exactamente o conteúdo que nós partilhamos. E neste processo de partilha de conteúdos muitas vezes o nosso browser está cheio de páginas, mas uma está sempre presente, a página da rede social onde iremos partilhar os conteúdos, e depois de cada achado voltamos sempre ao mesmo ponto de partilha. Foi com a ideia de agilizar todo este processo que o RockMelt apareceu.

Logo no loading do browser percebemos que estamos perante algo diferente. O primeiro passo é o login no Facebook e a partir daí irá se centrar a maior parte da atenção do RockMelt. O Facebook é a plataforma escolhida para ser a principal. E o motivo nota-se claro com o que foi dito acima: 500 Milhões de utilizadores. Maior potencial mercado que este não há, e por isso entende-se a decisão tomada. Mas outras redes parecem não ser esquecidas, e a inclusão de algumas das funcionalidades do Twitter pode ser um sinal que outras poderão ser incluídas.

Do lado direito temos o 1º painel, aqui funciona principalmente como meio de comunicar e ver os updates dos contactos do Facebook. Ao abrir a janela de um determinado contacto podemos começar uma conversação ver os últimos updates da pessoa e enviar uma mensagem ou escrever no seu mural. Ainda do lado direito temos o nosso perfil, e a partir dai podemos alterar o nosso estado com updates para Twitter e Facebook.

Do outro lado temos um painel que agrupa diversas fontes de informação. As principais, obviamente, são os feeds do Facebook e do Twitter (com possibilidade de fazer updates directamente da janela), e também uma funcionalidade específica do Facebook para informar de updates de artigos que comentámos. Neste painel também se pode adicionar fontes especializadas que são detectadas pelo próprio browser e que são sugeridas pelo browser de acordo com os sites visitados recentemente. Esta, pessoalmente, é das features que mais uso e é extremamente útil, funcionando quase como news aggregator. Ao que parece esta funcionalidade está a ser mais explorada (o addon do Gmail para esta barra em especifico é prova disso) e poderá ser algo de importante para o browser.

O botão de Share cumpre a sua funcionalidade esperada, partilhar o endereço actual para uma das redes sociais (Facebook ou Twitter). Este botão é capaz de ser a melhor mudança no browser e de tão simples e eficaz que é ponderamos porque não apareceu mais cedo. Extremamente útil e faz com que realmente a partilha de conteúdos seja feita muito rapidamente. Parece que o Firefox já percebeu isto e avançou para uma funcionalidade semelhante via addon (http://f1.mozillamessaging.com/).

O último aspecto é a search-box que foi reintroduzida à imagem do que ainda acontece em browsers como o Firefox e Internet Explorer, mas com um pequeno tweak. Abre um painel à parte com os resultados das pesquisas do Google e quando clicamos nos links aparece logo na página nunca fechando o painel criado para a pesquisa, acelerando as pesquisas feitas. Penso que esta opção é um passo atrás no que o Google Chrome já tem, uma barra que faz tudo, mas é uma opção que ainda está presente em muitos browser e aqui com um melhoramento. O Google tem vindo a introduzir mecanismos para melhorar a sua pesquisa (Google Instant e Instant Preview) por isso esta ferramenta poderá rapidamente estar desactualizado.

Em conclusão, Rockmelt é um browser com um conceito bastante interessante e virado para o novo paradigma de web e para um grande conjunto de pessoas que vêm mudanças como estas com muito bons olhos. Alguns pontos negativos que neste momento há para referir pendem-se com a falta de customização das funcionalidades específicas ao RockMelt, como por exemplo, escolha das redes sociais presentes no browser, actualizações simultâneas nas redes definidas, possibilidade de definir uma rede preferida. Os aspectos de melhoramentos de performance podem ser feitos mas sendo que ainda está em fase de closed beta, todo o feedback dos utilizadores está a ser ponderado e a ultima actualização é prova disso. Há muito trabalho para melhoramento, longe de ser perfeito, mas uma boa base já feita e com boas ideias para o futuro.

Fica aqui um vídeo oficial de apresentação das funcionalidades do RockMelt:

O RockMelt está disponível para Mac e para Windows. Neste momento está em closed beta portanto só com convite que poderão receber inscrevendo-se no site (http://www.rockmelt.com/) ou esperando por um convite via Facebook de um amigo. As actualizações já começão a surgir tendo a semana passado corrigido bastantes bugs e pedidos dos utilizadores. Espera-se que as próximas actualizações se foquem muito mais em funcionalidades do que em bugs.

Este artigo foi escrito por em 01 Dez, 2010, e está arquivado em Análises, Comunicação, Destaques, Dicas, Downloads, Entretenimento, Internet, Internet, Outros, Programas, Software, Software. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
13 comentários em “RockMelt, promete mudar a forma como usamos o browser!”
  1. Eu pessoalmente acho que o Opera está bem à frente dos concorrentes. Este RockMelt é bastante bom e usei-o durante umas semanas, depois saiu a versão Alpha do Opera 11 e voltei para o Opera.

    P.S: Parabéns pelo site, está cada vez melhor.

  2. :) Excelente post. Já tinha lido qualquer coisa acerca deste novo revolucionador dos browsers… mas não com este detalhe e empenho no post.

    Desde já, os meus parabéns e que fiques pelo KeroDicas.com que a equipa e visitantes agradecem ;)

    Cumps

  3. Só depois que ganhei o convite que descubro que esse navegador não tem suporte para linux(porque eles não avisaram antes? bola fora)

    • Pois, nem sempre é bem explícito… mas quando tiveres dúvidas o KeroDicas.com tiras… no post pode-se ler “O RockMelt está disponível para Mac e para Windows”.

      Eu apesar de utilizar o windows ainda não o experimentei… tudo a seu tempo!

      Cumps

  4. Para ser sincero acho que para muitas pessoas este browser é só para perder tempo…

    • Sim… Até porque o facebook é para muitas pessoas uma fonte de perda de tempo né? Aliás, nas empresas e isso é normal o acesso ao facebook ser bloqueado. Assim, quando este browser sair, secalhar vai ser expressamente proibido de o instalar em locais de trabalho… nem pelos portable apps (que dão tanto jeito lol)

      Cumps

  5. O explorador é uma máquina de inovação…penso que poderá inclusivamente ganhar pernas para uma distribuição e utilização em massa…veremos o futuro.

  6. estou a usar e já não quero outro browser, uma verdadeira revolução

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: