« ASUS Padfone já tem preço e data de lançamento! MediaInfo, conheça os detalhes dos seus vídeos por dentro e por fora »
05/04/2012
Escrito por em Dicas | 3.987 Leituras

repto foi lançado no início do corrente ano pela Codecademy: no espírito auto-motivacional das resoluções de Ano Novo, o site decidiu desafiar o mundo a, no ano vindouro, aprender a programar. A adesão foi na ordem das centenas de milhares de futuros programadores. Mas a Codecademy não se limitou a desafiar: semanalmente, entrega no email de cada um as ferramentas para a completação desse desafio. Semanalmente, a Codecademy oferece interactivas e desafiantes aulas de Javascript – linguagem quase ubíqua na web (e não só!).

Na era do digital, a literacia em computadores é mais premiada quanto maior forem os conhecimentos de cada um de nós. Saber trabalhar com x programas ou interagir com determinadas partes dos computadores são dados adquiridos e é destaca-se quem mostra mais polivalência e um entendimento mais profundo das tecnologias.

A programação é sobretudo um desafio. Obriga-nos a ter um pensamento mais analítico e rigoroso, a sintetizar e examinar problemas acutilantemente e a encontrar resoluções elegantes para eles. É um exercício – tanto quanto aqueles calhamaços de 1000 páginas de quebra-cabeças – de lógica, ginástico para a mente.

Foram estes os pressupostos que levaram a Codecademy a tentar ensinar o mundo a programar. Tendo em conta a elevada empregabilidade na área da informática, é certamente uma boa aposta. E mesmo que estas aulas não se venham a concretizar num emprego, é sempre mais um item a adicionar ao portfólio cognitivo de cada um de nós. E que conhecimento é conhecimento a mais?

Foi esta linha de pensamento que me levou a aceitar o desafio da Codeacademy. Tenho alguns conhecimentos muito superficiais em várias tecnologias, mas em termos de capacidades efectivas estou ao nível de qualquer um com uma instrução não-informática.

As aulas foram chegando semanalmente e completei a primeira, mas acabou por me ser impossível continuar a seguir o ritmo semanal das aulas (oh, procrastinação!). Agora, com algum tempo extras nas férias, decidi voltar a incidir furiosamente no Codecademy – e estou viciado.

A grande vantagem do Codecademy é que as aulas quebram o paradigma dos extensos e expositivos manuais que se encontram na Internet. Já várias vezes me tinha disposto a iniciar-me na programação, mas a grande maioria do material existente para iniciantes era confuso, inobjectivo e vago.

O Codecademy quebra esse paradigma. Cria um ambiente de sala de aula, com uma barra lateral com os pressupostos teóricos em linguagem muito assimilável e o exercício proposto,  um editor de código à direita (com valioso realçe de sintaxe e reconhecimento de erros básicos de formatação) para escrevermos o código pedido e o executarmos no compilador integrado.

Cada aula foca-se num tema, podendo conter uma ou mais lições, cada uma delas descontruindo o tema num grau de complexidade crescente e com exercícios práticos à mistura. Aliás, a existência de algumas directrizes que encaminham o exercício pedido revela-se bastante encorajadora e quase que infunde a presença de uma paternal figura instrutiva.

Não é por isso, contudo, que os exercícios se tornam menos desafiadores para quem se inicia nestas lides da programação. A curva de aprendizagem é bastante adequada, aliás: não é muito rápida (dada a frequência do envio das aulas), mas tem um ritmo suficiente para se tornar recompensadora e viciante. Porque, afinal de contas, o que nos faz continuar é a noção de estar em evolução, e essa está bem induzida nas lições do Codecademy. É também uma aprendizagem retrospectiva: constantemente somos convidados a reintroduzir conceitos e pedaços de código de aulas passadas, mostrando a sua utilidade e o modo como os vários elementos da linguagem interagem entre si e a tornam poderosa.

O ambiente de sala de aula virtual do Codeacademy oferece um Scratchpad, um editor com compilador integrado onde podemos escrever o nosso código livremente e testar os nossos próprios pedaços de código. Para além disso, um abrangente e explícito glossário, está à distância de um clique, para referência nos momentos que a retrospecção é necessária.

Muitas vezes durante o ensino, questionamo-nos acerca da aplicabilidade prática do que aprendemos. Quando não a descobrimos imediatamente, começa a ser frustrante o esforço de aprender para… nada. No Codecademy este problema foi bem resolvido: a par de cada aula, somos convidados a realizar alguns projectos que mostram a aplicabilidade do que aprendemos. Desde criar um jogo do Blackjack a viajar por New York, New York! de táxi, ou a ajudar uma startup a erguer-se do topo de todas as constrições financeiras, existem exercícios bem pertinentes.

E para quem desista aos primeiros obstáculos, há uma componente bastante útil e indutora de humildade no Codecademy. Cada aula tem associado um fórum público de perguntas e respostas, com as dúvidas de todos os participantes. Essas dúvidas são, muitas vezes, as nossas próprias dúvidas, mostrando que as dificuldades são normais e até o mais inveterado dos programadores teve que as ultrapassar.

 

Existem dois senãos no Codecademy: primeiro, está totalmente em inglês. O inglês é praticamente magnânimo hoje em dia, mas pode revelar-se um obstáculo em certos casos. Não tenho a certeza se existem planos por parte da empresa para a tradução para outras línguas, mas esta pode ser uma boa oportunidade para aprender programação e melhorar o seu inglês – sobretudo porque muitos termos técnicos da programação estão restritos a essa língua.

Em segundo lugar, na categoria do levemente irritante, como todo o sistema é automático, quando queremos verificar se o código que escrevemos realiza a tarefa pedida, esse código terá que corresponder ao código que o sistema está à espera receber. Ainda que tenhamos criado uma solução funcional, não nos será permitido avançar caso não corresponda. Por um lado, é frustrante e problemático; por outro, a legibilidade e clareza do nosso código melhorará, pois o código fornecido pelos especialistas que criam as aulas é, tecnicamente, eficaz e objectivo e, poeticamente, bonito.

As aulas do Codecademy vão já na semana 13, com diversos desafios e projectos lançados, e estão agora a fazer uma iniciação aos tópicos do HTML e CSS, linguagens de criação de páginas web. Presumo que, num futuro próximo, se fundam os três temas – HTML, CSS e Javascript – em desafios e projectos cada vez mais complexos.

O primeiro grande desafio do Codecademy, e que eu reitero, é registarem-se aquiDo-no, while preparam uma chávena de café e uma pãozinho integer (foi forçado, admito), este é o melhor dos estímulos for o vosso cérebro. Viciante.

Este artigo foi escrito por em 05 Abr, 2012, e está arquivado em Dicas, Geral/Outros, Outras. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
1 comentário em “Codecademy: o melhor dos meus vícios”
  1. Olá, eu to lutando pra saber como passar desse exércicios já tentei de tudo e não estou entendendo.

    É na segunda parte:

    1. Using console.log (completei)
    2. Comparisons <– essa daqui

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: