« Gosta de fazer apostas desportivas, mas não tem dinheiro? Vai uma leitura grátis via Kindle? »
17/01/2011
Escrito por em Cinema | 3.468 Leituras

O KeroDicas.com volta a apresentar o regresso de uma das mais carismáticas rubricas que por aqui tem passado: Cinematograficamente Falando…é uma rubrica elaborada por Hugo Gomes @ cinematograficamentefalando.blogs.sapo.pt, cujo objecto é a apresentação, em forma de resenha, das próximas estreias cinematográficas da semana corrente e respectivas críticas a outros títulos, que vos podem, ou não, ajudar a tomar a decisão de ver o filme em questão.

Esta semana em destaque Hereafter, entre outros títulos, com estreia marcada para quinta-feira…

Hereafter – A Outra Vida
Real.: Clint Eastwood / Int.: Matt Damon, Bryce Dallas Howard, Cécille De France

Clint Eastwood é um dos maiores e mais clássicos artesãos de Hollywood, iniciou a sua carreira no mundo do cinema em 1955 com um pequeno papel no filme de ficção cientifica de Jack Arnold, Revenge of the Creature, desde então cresceu tendo participado em inúmeras peças televisivas e pequenos filmes até chegar ao género que lhe concedeu a fama – o western.
Como realizador, praticou a modalidade pela primeira vez em 1971, numa curta documentaria de nome The Beguiled – The Storyteller, sobre o realizador Don Siegel que trabalhou em Dirty Harry (que lhe ofereceu um dos seus papeis mais célebres) e a longa-metragem Play Misty for Me. O seu trabalho atrás das câmaras fora reconhecido inúmeras vezes quer pelo público, pela crítica e pelos galardões, nomeado três vezes ao Óscar de Melhor Realizador, pela primeira vez em 1993 com Unforgiven, Mystic River em 2004 e em 2005 com Million Dollar Baby (onde venceu a categoria, também foi nomeado para Melhor Actor). Recentemente Eastwood dirigiu a sua chamada auto-retrospectiva com Gran Torino (2008) e o seu olhar aos acontecimentos de 1995, o Campeonato Mundial de Râguebi na África do Sul e a importância da figura de Nelson Mandela em Invictus (2009), nesta ultima obra trabalhou com o actor Matt Damon, o qual volta a cooperar neste novo projecto – Hereafter.
O actor que ficou marcado pelo grande público na sua encarnação Jason Bourne na sua trilogia de sucesso, desempenha um homem que trabalhou como vidente, mas que repugna essa vida próxima da morte, é uma das peças chave deste filme mosaico que retrata com certa curiosidade do autor no tema de vida após morte e da proximidade dela nos seres vivos. O argumento foi escrito por Peter Morgan (The Queen, Frost/Nixon) em influência da perda de um amigo, que o levou a questionar as finalidades da morte e de certa forma entrar nas “perguntas sem resposta” que muitos questionam – “será que existe algo mais para além do suposto fim?”. Os escritos foram lidos por Steven Spielberg que logo após do sucedido recomendou Clint Eastwood a dirigi-lo, já que o autor sempre exteriorizou o tema da morte na sua filmografia, lembremos por exemplo o medo de envelhecimento de Walt Kowalski em Gran Torino e a eutanásia em Million Dollar Baby. A fita ainda conta com as actrizes Bryce Dallas Howard (The Twilight Saga – Eclipse) e Cécille De France, uma das actrizes de maior sucesso da França, tendo participado nos êxitos L’Auberge Espagnole (Cédric Klapisch, 2002) e Haute Tension (Alexandre Aja, 2003), também esteve presente na produção hollywoodesca Around the World in 80 Days (Frank Coraci, 2004), sendo Hereafter o regresso ao cinema americano. Curiosamente a obra de Clint Eastwood é uma das primeiras grandes produções norte-americanas a referenciar a tragédia de 2004, o tsunami que abalou a Indonésia.

TOP 5 – Clint Eastwood como Realizador
5 – Letters from Iwo Jima (2006)
4 – Mystic River (2003)
3 – Unforgiven (1992)
2 – Gran Torino (2008)

1 – Million Dollar Baby (2004)

OUTRAS ESTREIAS


Vais Conhecer o Homem dos Teus Sonhos
Real.: Woody Allen / Int.: Naomi Watts, Antonio Banderas, Anthony Hopkins

Woody Allen, que se encontra com 76 anos, é um dos mais famosos argumentistas do cinema, um dos descendentes directos da escrita de Billy Wilder, o qual se caracteriza pela comédia inteligente, de diálogos de igual adjectivo e de referências ousadas mas sem perder o tom hilariante sobre sexo. Figura característica pelo ar hipocondríaco, nervoso, cronista e os seus inigualáveis óculos que tanto o determinam como uma personalidade impar do cinema em geral, sendo as suas fitas, quer realizadas ou escritas, algo anualmente único, tendo em conta com o exaustivo trabalho de Allen é quase a produção de um filme por ano. Conhecido como um autor de mulheres, sendo que as figuras femininas ditaram as suas diferentes faces; Diane Keaton, Mia Farrow e Scarlett Johansson. O seu novo trabalho titula-se You Meet a Tall Dark Stranger e conta com um conjunto de historias que abordam a segunda oportunidade na relação amorosa, e com o certo cunho ousado de Allen, não estamos perante algo de redenção nem nada do género, mas sim à procura pelo novo amor que não se encontra no seio matrimonial.
Assim sendo, seguimos as historias de Alfie (Anthony Hopkins – The Silence of the Lambs) que persegue a sua juventude perdida, deixando para trás a sua mulher de longa data, Helena (Gemma Jones – Harry Potter and the Half Blood Prince), que por sua vez entrega a sua vida aos conselhos de uma vigarista vidente (Pauline Collins – Paradise Road). Um romancista, Roy Channing (Josh Brolin – Jonah Hex), apaixona-se por Dia (Freida Pinto – Slumdog Millionaire), uma misteriosa mulher, e sua esposa, Sally Channing (Naomi Watts – The Ring), entrega-se ao seu patrão, o charmoso Greg (Antonio Banderas – The Mask of Zorro). You Meet a Tall Dark Stranger foi apresentado no último Festival de Cannes e arrecadou excelentes críticas que o consideram um dos melhores trabalhos de Allen, e tendo em conta um elenco de luxo como este, eis uma comédia romântica a não perder… rir com inteligência!

As Viagens de Gulliver
Real.: Rob Letterman / Int.: Jack Black, Emily Blunt, Jason Siegel

Jonathan Swift escreveu em 1726, a história As Viagens de Gulliver, que consistiu um sátira do seu tempo e que nos dias de hoje continua a ser uma critica ao capitalismo e as desigualdades sociais. A primeira versão da história clássica aconteceu em 1902, com a curta de George Méliès, Le Voyage de Gulliver à Lilliput et Chez les Géanus, passado 33 anos, Aleksandr Ptushko apresenta a sua versão mais ácida do conto, The New Gulliver, que foi o primeiro objecto cinematográfico a juntar acção real com animação stop-motion. Em 1960 surgiu uma versão mais Hollywoodesca, realizada por Jack Sher e Kerwin Matthews na pele do Dr. Lemuel Gulliver, em 1996 surge-nos a mini-série de luxo e de grande êxito produzido pela Hallmark, protagonizada por Ted Danson, que redefiniu o conto para o final do século. No inicio de 2011 eis que estreia a variação mais cómica, verifica-se tendo Jack Black (Envy, School of Rock) como protagonista, o que não quer dizer outra coisa para além da comédia.
Black é a trasladação mais moderna de Lemuel Gulliver, um humilde empregado de um Jornal de Nova Iorque que decide investigar o mistério do Triangulo das Bermudas. O nosso herói viaja para o local pretendido e é transportado para um mundo paralelo, onde ele é um gigante em terra de miniaturas. É verdade sim senhora, que esta nova incursão ao conto de Swift deriva da “explosão” da tecnologia a três dimensões e a oportunidade da inflação dos bilhetes para garantir o seu sucesso, porém ninguém nega que a ideia poderá resultar para os fãs de Jack Black e da comédia fantástica em geral. Gulliver’s Travels é dirigido por um realizador vindo da produção de inúmeras animações da Dreamworks como Shark Tale (2004) e Monsters Vs. Aliens (2009). No elenco poderemos contra com Emily Blunt (The Wolfman), Jason Siegel (Forgetting Sarah Marshall) e Amanda Peet (2012) que irão assegurar a comédia num cinema perto de si.

CRITICAS

O Turista
Real.: Florian Henckel von Donnersmack / Int.: Johnny Depp, Angelina Jolie

Pontuação – **

O realizador de Live of Others está irreconhecível, sem isso querer assinalar que se trata de um elogio, o contrario, o autor parece encontrar o anonimato enquanto dirige duas estrelas internacionais (Depp e Jolie) em piloto automático. O argumento não é nada mais que uma revisão “à americana” do bem sucedido Anthony Zimmer de Jérôme Salle, é por isso que o twist final não surpreenderá os mais informados sobre cinema. Risível estratégia de facturar milhões envoltos dos actores preferidos do grande público pode ser uma boa frase para descrever esta película.

Chloe
Real.: Atom Egoyan / Int.: Julianne Moore, Amanda Seyfried
Pontuação – ***

Mais um remake de um filme francês, desta vez um dos casos feliz. A obra dependente é o êxito de Anne Fontaine em 2003, Nathalie …, Chloe é uma obra que transpira erotismo e classe, e que nos brinda com uma excelente actriz – Julianne Moore, que mesmo com idade considerável consegue invocar sensualidade. O único senão deste thriller é a personagem de Amanda Seyfried, a miúda inocente de Mamma Mia!, que não consegue criar uma figura credivelmente obsessiva.

As Crónicas de Nárnia – A Viagem do Caminheiro da Alvorada
Real.: Michael Apted / Int.: Liam Neeson, Ben Barnes
Pontuação – **

Após os maus resultados do antecessor, The Prince Caspian, a Disney desleixou nos direitos da obra de C.S. Lewis e vendeu-as à 20th Century Fox que contrata o não muito cobiçado Michael Apted para dirigi-lo. Com a oportunidade de 3D, criou-se uma Nárnia sem textura e invadido por efeitos visuais com fartura, as personagens não fogem do plano e as ideologias cristãs transmitidas pelo autor literário estão intactas. O melhor disto tudo é o pequeno actor Will Poulter (Son of Rambow) que ainda consegue criar um personagem mais palpável, mesmo sendo irritante. Uma aventura tecnológica, juvenil e sem grande ambição para ser épico. Nada de novo.

DVD

Salt (Versão Integral)
Real.: Phillipe Noyce / Int.: Angelina Jolie, Liev Schreiber

Evelyn Salt (Angelina Jolie) é uma leal agente da CIA que se torna num momento para o outro na mulher mais procurada dos EUA, tudo devido porque um capturado agente russo a acusa de ser uma espiã russa treinada para assassinar o Presidente. Filme com contornos de thriller ao ritmo de Jason Bourne e dos recentes 007 que se torna num veículo para a actriz Angelina Jolie mostrar as suas aptidões para o cinema de acção. É um entretenimento “brainless”, ou seja, possui alguns erros de lógica principalmente em pleno século XXI, mas que cumpre a sua função e verdade seja dita, a actriz de Wanted está fenomenal.
Do mesmo realizador de The Bone Collector.
Extras – Descubra exclusivo de filmagens nunca vistas com 3 versões do filme! Versão original + 2 montagens alargadas nunca vistas nos cinemas! A maior heroína de filmes de acção, Disfarce de Espia: as várias faces de Evelyne Salt, Entrevista à rádio com o realizador Philip Noyce, Comentários dos autores.

Karate Kid
Real.: Haralda Zwart / Int.: Jada Smith, Jackie Chan

Baseado na popular obra de John G. Avildsen de 1984, apelidado de um “Rocky para adolescentes”, Karate Kid é a história de um rapaz afro-americano que se muda com a mãe para a China, porém é constantemente humilhado pelos jovens nativos de lá e para tentar defender a sua honra, decide ter aulas de kung fu com Mr. Han (Jackie Chan), com o intuito de participar num campeonato de artes marciais para jovens assim defrontar aqueles que sempre o perseguiram.
Produzido por Will Smith e protagonizado pelo seu próprio filho, Jada Smith, com desígnio para relança-lo para o estrelato, Karate Kid é uma obra de contornos familiares e de boas doses de artes marciais em versão “pequena” aconselhável para quem nunca ouviu falar da popular fita de 1984. Agora quem é familiarizado com o mestre Miyagi (Pat Morita) é melhor esquecer que existiu isto.
Extras – Não tem.

OS 5 MELHORES FILMES DE 2010 (por Hugo Gomes)
5) The Cove (Louie Psihoyos)
4) The Ghost Writer (Roman Polanski)
3) Toy Story 3 (Lee Unkrich)
2) Shutter Island (Martin Scorsese)
1) The Single Man (Tom Ford)


Este artigo foi escrito por em 17 Jan, 2011, e está arquivado em Cinema, Destaques. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
5 comentários em “Cinematograficamente falando…Regresso às origens…”
  1. Muito obrigado pelo post. É sempre bom saber as criticas e ver outros pontos de vista em relação a vários filmes. Parabens!!

  2. And it’s back! :D
    Parabéns por mais uma excelente dose de pura informação e conhecimento cinematográfico e bem-vindo (de volta)!

  3. Viva.
    Muitos parabéns pelo artigo e pelo regresso da rubrica.
    Aproveito apenas para fazer uma crítica que deve ser entendida como construtiva: durante a leitura do artigo, pode-se encontrar uma construção frásica um pouco ‘abrasileirada’ em várias partes (p. ex. “O seu novo trabalho se titula…”, ou “Um romancista, (…), se apaixona por Dia…”), bem como a falta de acentuação em algumas palavras.
    Caso o autor tenha origem brasileira ou o texto tenha outra fonte que não o autor, paciência… Continuação de bom trabalho.

  4. Excelente regresso de Hugo Gomes,

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: