« Logitech G27, só para quem tem “garras” ao volante Street View em Portugal: primeiras imagens »
17/08/2009
Escrito por em Mundo | 4.881 Leituras

A International Business Machines Corp (IBM) está a analisar as peças que compõem o nosso corpo, o ADN, para serem a estrutura da próxima geração de microchips. À medida que os fabricantes de chips competem para desenvolver chips cada vez mais pequenos a preços cada vez mais baixos, os designers debatem-se para reduzir os custos. As nanoestruturas artificiais do ADN ou o «origami de ADN» podem fornecer um quadro de baixo preço de construção de minúsculos microchips, segundo um artigo publicado no Domingo no jornal «Nature Nanotechnology».

digital_dna

Os microchips são utilizados em computadores, telefones celulares e outros dispositivos electrónicos.

«Esta é a primeira demonstração do uso de moléculas biológicas no processamento da indústria dos semicondutores», afirmou, em entrevista à Reuters, o gerente de investigação da IBM, Spike Narayan.

«Basicamente, esta experiência diz-nos que as estruturas biológicas como o ADN oferecem, na realidade, tipos de padrões muito repetitivos e passíveis de serem reproduzidos, com os quais podemos influenciar os processos semicondutores», afirmou.

A pesquisa foi um compromisso conjunto tomado por cientistas da IBM do Centro de Pesquisa de Almaden e do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

Actualmente, quanto mais pequeno for o chip, mais caro é o equipamento. Narayan afirmou que se o processo do «origami de ADN» conseguisse passar ao nível de produção, os fabricantes poderiam trocar centenas de milhões de dólares de ferramentas complexas por menos de um milhão de dólares de polímeros, soluções de ADN e equipamentos de aquecimento.

«A soma das economias em várias áreas podem ser significativas», acrescentou.

Mas os novos processos só estarão em funcionamento daqui a, pelo menos, 10 anos.

Narayan lembrou também que, embora o «origami de ADN» pudesse permitir aos fabricantes de chips construírem estruturas bem mais pequenas do que aquelas originadas a partir de instrumentos convencionais, a técnica ainda precisaria de anos de experiências e testes.

Fonte: Agência Financeira

Este artigo foi escrito por em 17 Ago, 2009, e está arquivado em Mundo, Notícias, Tecnologia. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
3 comentários em “IBM quer usar ADN para construir os próximos microchips”
  1. fogo o que mais falta inventarem!

  2. morionadidere diz:

    Isto ainda vai no inicio da revolução tecnologia…

  3. se isto esta no inicio quando é que vai parar!!!!!!!!!!!!!!!!
    xD

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: