« Registo limpo com segurança? só com o Your Free Registry Cleaner Nexus One vs. iPhone: quem vence? »
07/01/2010
Escrito por em Mundo | 5.495 Leituras

A implementação e troca do Blu-Ray pelo DVD não está a ser tão rápido quanto se previa, pelos mais variados factores: preços, constantes alterações do protocolo, etc, etc. Mas o pior é quando se fala de transpor a leitura e gravação deste novo formato para Linux, a coisa muda de figura…

Existe um ou outro site que ensinam a fórmula para conseguir ler/gravar um Blu-ray em GNU/Linux, mas acreditem que não é pêra doce e requer conhecimentos bastante avançados em Linux para o poder fazer decentemente, tal como podemos ver NESTE artigo exemplo.

Mas o fundamento da questão é que, embora seja possível a integração do Blu-ray nestes sistemas não controlados, as pressões internacionais das multinacionais da especialidade, levam a uma retração na adopção do formato Linux. Tenhamos em conta o caso DVD, pois somente ter sido crackado o código de descodificação é que se começou a integrar a leitura de DVDs em Linux, mas desta vez é diferente, porque temem-se processos judiciais a todo o custo.

E quando se teme um mega-processo legal, em que as hipoteses de poder ganhar são quase, quase nulas, então pode ficar tudo comprometido e ficar o Blu-ray, tecnologia de ponta fora do tão-amado Linux.

O pinguim terá de, provavelmente, repensaro seu papel e a inclusão da novas tecnologias no seu sistema. Essa função está totalmente nas mãos das distribuidoras de versões que terão de arriscar, senão…senão sujeitam-se a ficar de fora da corrida.

Este artigo foi escrito por em 07 Jan, 2010, e está arquivado em Mundo, Notícias. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
21 comentários em “Futuro do Blu-Ray em Linux comprometido?”
  1. Lycanthrope diz:

    err………o espanhol é intencional? Eu sei que o futuro é a distribuição digital… mas o Linux tem de se chegar a frente para não perder a corrida…

    Cumps

  2. Não é assim tão difícil, qualquer pessoa que use linux tem obrigação de saber compilar programas usando make. E de qualquer forma já existem soluções comerciais e não comercias que removem a encriptação de BluRay tanto BD+ como AACS.

    • sim, isso não é o problema, o problema podem ser os processos legais que estão à espera daqueles que lançarem uma distribuição com leitura/gravação de Blu-ray. Aí está o cerne de toda a questão, as grandes multinacionais não querem que o Blu-ray se vulgarize em sistemas não controlados, como é o Linux onde qualquer um pode personalizar.

    • Lycanthrope diz:

      Não concordo muito com a afirmação de qualquer pessoa que use linux tenha obrigação de saber compilar programas usando make… Porque é um processo um bocado custoso (refiro-me para um leigo a pcs/computadores) que não se justifica. O linux tenta-se mostrar como uma alternativa viável e barata (e até superior…) ao Windows, certo? Assim sendo, o linux tem que se tornar mais intuitivo e com uma curva de aprendizagem semelhante ao Windows e não muito maior, certo?

      Eu sou, fundamentalmente, utilizador Windows, mas gosto de passear pelos ambientes Linux :).

      Cumps

      • Sim as interfaces do Linux possibilitam a sua utilização por um utilizador não habituado, o problema do linux é quando queres fazer uma coisa que não esta automatizada por interfaces gráficas, quando queres mesmo controlar o sistema, ai tens sempre que recorrer a shell e fazeres uns sudo. Penso que qualquer utilizador de linux terá mais cedo ou mais que aprender a ver os manuais das aplicações e a compila-las. Esse problema das licenças irá sempre ser contornado de alguma forma, nem que seja correndo uma aplicação que leia Blu-rays de windows em Linux. Também há a possibilidade de usar um programa para remover as protecções do formato, tornando a reprodução mais trivial.

  3. Guilherme de Sousa diz:

    li isto e estranhei um bocado… e realmente estranhei bem..

    o nerolinux faz burn de bluray.. nem procurei por mais nada, mas certamente ha outros programas q o façam(opensource -> muitos outros q o façam portanto).

    http://www.nero.com/enu/linux4.html

    cumps!

    • sim mas o nero tem uma vertente comercial que pode suportar perfeitamente os custos de uma licença de utilização do formato Blu-ray…vejamos somente os que vivem do open-source se também se aventuram…

      o exemplo não foi muito bom, ma valeu a pena.

      • Guilherme de Sousa diz:

        nao se trata ou nao de valer a pena. o q esta em causa é ou nao haver maneira facil de gravar em linux bluray. e como podes ver HA. se é paga ou nao é outra coisa. certamente como deves imaginar, quem se da ao luxo de precisar de bluray, tmb n se deve importar de comprar o nerolinux I guess..

        ate te dava a bicicleta q insistes sempre tanto em querer levar, mas va: o cdrecorder DÁ para gravar bluray, logo todos as GUIs baseadas neste, gravaram bluray. exs: k3b (é opensource n é?)

        regards

  4. É triste…

  5. boas , eu fiz um tutorial no forum do ubuntu como reproduzir um filme bluray no Linux para quem estiver interessado leia o meu tutorial tenho varias soluções
    http://ubuntuforum-br.org/index.php/topic,59089.0.html

  6. ah , também podem ver o video que pus no youtube onde eu demonstro uma reprodução directa de um disco de bluray utilizando o mplayer
    http://www.youtube.com/watch?v=xV-h4-LlSr0

  7. a minha critica a este artigo

    ” Existe um ou outro site que ensinam a fórmula para conseguir ler/gravar um Blu-ray em GNU/Linux, mas acreditem que não é pêra doce e requer conhecimentos bastante avançados em Linux para o poder fazer decentemente, tal como podemos ver NESTE artigo exemplo”

    depois de lermos isto, pergunto: O Copy and Paste é assim tão difícil ?

    isto não é para gabar , mas o Kernel Linux foi dos primeiros sistemas de pc a permitir ler discos bluray , e foi graças ao Linux instalado numa ps3 que código foi descoberto dos discos video Bluray

    • quanto a isso não há qualquer dúvida, a questão é que espera-se mais «luta» por parte das multinacionais em deixar que sistemas abertos (não controlados) possam reproduzir.

      O âmbito deste artigo prende-se com o facto de a DISTRIBUIÇÃO LINUX, isto é o próprio S.O. ler e/ou gravar de base, como acontece com o Windows e não com este ou aquele programa, como aqui referenciaram, em concreto.

      O que quero dizer com o artigo, e cada vez mais me parece que não foi bem entendido, é que a primeira distribuição que apresente de base a possibilidade de ler/gravar Blu-rays, poderá incorrer no risco de ser processada «forte e feio» por violação de patentes.

      • Guilherme de Sousa diz:

        quanto ha leitura n sei Mario, mas quanto a escrita, dado q o k3b grava blurays, e dado q vem em praticamente qlqr distro com kde, já havera mais q muitas a fazer a dita ‘grande proesa’.

        cumps

      • Boas Mario
        Na experiência com Linux ele lê discos bluray sem instalar nada adicional, para gravar pode-se utilizar o nero-linux por enquanto, quanto a aplicações que lêem discos de video bluray legalmente ainda não existe, mas penso empresas como a fluendo que disponibiliza codecs legais para linux como um dvdplayer para reproduzir dvds video legalmente em linux , eu penso que não deve demorar muito que esta empresa fazer um software para reproduzir discos video bluray legalmente em Linux
        http://www.fluendo.com/

        esclarecimento
        quando falo leitura de discos de bluray não a falar na descriptação de discos video bluray , o linux lê esses discos mas não os descripta, o que ta encriptado é o video e não o disco

      • Boas Mario

        Na minha experiência com o Linux ele da para gravar e ler discos bluray, como exemplo de software para gravar dvds temos o nero linux .
        Mas quanto a discos video bluray ele lê esses discos mas não desencripta os vídeos contidos nesses discos.
        Mas acredito que empresas como a fluendo que fornece codecs legais para linux bem como um reprodutor de dvds para leitura de dvdvideo legalmente em Linux, poderá brevemente fazer um software para reprodução de discos video bluray em linux. ( http://www.fluendo.com )
        tirando as partes legais já é possível a leitura de videos bluray em linux como eu demonstrei a acima

  8. Depois de ler tudo deixa ver se percebi:

    As distribuições livres não poderão trazer de raiz forma alguma de desencriptar os ditos Blue-Ray mas…. se o utilizador encontrar maneira de o fazer (legal ou não) a empresa responsável pela distribuição deixa de ser “culpada” pois isso já será da conta do utilizador.

    Certo?

  9. volto a dizer o linux lê e grava discos bluray nativa-mente isso não tem nada tem nada de ilegal as drivres dos bluray-rom -R -RW jã estão no seu kernel.
    Discos video bluray esses contem material encriptado, os vídeos gravados nesses discos
    por enquanto não há maneira legal de os ver em Linux, acho que nem o windows tem aplicações vindo com sistema de fabrica para ler discos de video bluray , temos que instalar sempre um software extra para ver esse tipo de discos e o linux não diferente temos que instalar um software extra para ver os filmes bluray legalmente ou não , Já agora o windows media player lê discos de video bluray ?

  10. Sei que vou tarde para comentar.

    Mas aqui fica o meu parecer!

    Infelizmente o mundo em vivemos não depende de boas vontades de minorias que tudo fazem para facultar um futuro melhor a todas as gerações que vivem e viverão neste mundo de obstáculos e direitos que apenas servem quem pode comprar.

    Duvido que o MERCADO egoísta e sobretudo monopolista (capitalista), abra mão de pequenas coisas que “garantem” o seu lucro.
    É óbvio que quem manda é o consumidor e este só compra se quiser!

    O “blu-ray” quanto a mim, está condenado como outras grandes ideias do passado que só tinham como objectivo acorrentar os consumidores a produtos exclusivos, refiro-me como é óbvio ao sistema Beta, ao MiniDisc e ao DAT, DIGITAL AUDIO TAPE CASSETE AUDIO.

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: