« EMET, segurança apertada «à la Microsoft» Borla: 5 programas completos da Ashampoo gratuitamente! »
16/09/2010
Escrito por em Nacional | 5.019 Leituras

A associação dos clubes de vídeo portugueses fez saber através de comunicado que iniciou hoje uma ação judicial com vista ao bloqueio do acesso aos sites The Pirate Bay e Pirata Tuga em Portugal.

A vida para as cadeias de vídeo não tem sido facilitada. Com a forte concorrencia dos cinemas, e das operadoras de telecomunicações, e a facilidade de acesso aos DVDs a preços cada vez mais reduzidos, torna-se difícil continuar com um negócio que tende para fechar. Associada está a pirataria, que vem prejudicar, ainda mais, o negócio.

A associação, que defende os interesses dos clubes de vídeos, refere que a lei portuguesa “mais concretamente o Decreto-Lei n.º 7/2004 que transpõe para o ordenamento jurídico português a Directiva 2000/31/CE, dá poderes à IGAC – Inspeção Geral das Atividades Culturais para interromper a atividade de sites que prejudiquem gravemente os consumidores, aí incluídos os investidores, como é o caso manifesto do “Pirate Bay”, responsável por colaborar materialmente na realização de mais de biliões de downloads ilegais e na partilha não autorizada de milhões de obras culturais e de entretenimento”.

Mas até que ponto o bloqueio destes websites será uma boa atitude? E até que ponto não será este bloqueio um ponto de partida para uma política de bloqueios idêntica à que acontece na China?

Este artigo foi escrito por em 16 Set, 2010, e está arquivado em Nacional, Notícias, Tecnologia. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

25 comentários em “ACAPOR quer bloquear The Pirate Bay em Portugal”
  1. É pirata kem saca ou kem publica?

  2. Miguel Ribeiro diz:

    bloquearem o TBP ou PirataTuga é apenas capricho… existem centenas (ou mesmo milhares) de trackers por todo o mundo.

    Bloqueiam todos? Não faz mal, sabem o que são proxies?

    Há três maneiras de acabarem com os downloads ilegais:
    a) Todo o tráfego é analisado pelos ISP e qualquer suspeita é reportada às autoridades;
    b) Bloquear o tráfego à là China (e atenção que mesmo assim não seria fácil)
    c) Baixar os preços dos DVDs/BDs/CDs para acessíveis e que mostrem vantagens em comprá-los…

    Jogos de XBox360 compro originais, pois compro! Mas dou dinheiro a Portugal com eles? NÃO! Uma novidade em Portugal custa entre 65 a 80€ e no UK é entre 30 a 50€!

    Se dizem que pirataria é roubar, os preços dos suportes multimédia em portugal também o são!

  3. Pedro Martins diz:

    Pronto, arranjararam esses dois bodes espiatórios e facilmente bloqueiam-se estes dois sites em Portugal.

    E os outros sites de pirataria?

  4. texuguinho diz:

    Só quero deixar bem claro uma coisa:
    O PES e o FIFA por exemplo são jogos anuais, por exemplo eu kero jogar e tenho de dar todos os anos 69,90 euros
    isso é alguma coisa, podiam fazer acordos , tipo 1º ano 69,90 se comprar o segundo ano com apresentação do talão 49,90, 3º 39,90, 4 29,90 e 5, 6,7,8,9,etc anos sempre a 29,90.

  5. e os pedofilos andam há soltam e não os apanham. Em vez de combaterem este tipo de flagelos andam com estas fantochadas. Kerem vender +, baixem os preços.

  6. The Pirate Bay powered by ACAPOR (www.acapor.com)

  7. entao e irem po [moderado] nao?

    quer dizer o dono do videoclube quando quer ver um filme nao saca vai alugar no seu videoclube

  8. Eu nao estou para dar dinheiro a um filme novo que saiu no cinema…
    1º Não me sinto ha vontade e em plena casa nesses cinemas
    2º Comprar DVD´s, Bluerays ou HD DVD´s? Porque nao vem tudo numa pen?? Ou porque nao se compra online? Com o belo e melhor serviço online temos o serviço Xbox Live que é bem mais barato do que os serviços PSN que se paga, os serviços PSN é 200euros ano, o da xbox é 58 ano e ainda por cima tras extras tantos como os da PSN (PlayStation Network – para quem nao sabe)
    3º – jogos? Existe tantos e milhares de sites com jogos ha borla que sairam no mercado que eliminar o piratebay é só menos um… e ao preço que estao os jogos para todas as plataformas, concordo que deveria-se baixar o preço… alem disso esse editores, gestores de jogos e blablabla vao ter que aprender andar de Renault Clio personalizados ha volta de 50.000 com um motor dci de 120cv… haha… essa é que é essa… assim essas marcas de luxo terão que abaixar mais os preços dos seus produtos, ao fim ao cabo, as que estao na falencia irão morrer mais cedo, nao temos culpa, mas nao temos pena! :P
    4º Isso dos pedofilos é outra coisa… qualquer um pode bater com a cabeça na parede e derrepente ficar com ideias de pedofilia! Ha pois é…!
    5º Ate agora so vi esta noticia no kerodicas, eis o site que merece especial atenção por divulgar muita coisa que outros tantos publicos nao conseguem! ;) (Y)

  9. Vejamos alguns exemplos:

    1º. Eu vou ao sítio da Internet duma banda que eu gosto. Há um novo CD. Fora a FNAC, e é a única da qual tenho conhecimento, não posso ouvir os CDs de antemão, e caso haja muita gente, então tarefa impossível.
    Imaginemos que eu consigo ouvir o CD, e apenas 1 música é que presta. Ora bem, ou praticamente sou obrigado a comprar, digamos, mais 11 músicas que não valem um caralho, para apenas usufruir de 1.
    Eu não tenho o direito a apenas poder comprar a que eu quero. Porque não? Porque razão é que eu não tenho direito a comprar apenas a música ou músicas que quero?

    Depois, quer para CDs ou DVDs de música ou filmes, não existe qualquer garantia. Ou seja, compramos, e caso o produto esteja estragado, a perda é nossa. Também não passam factura. Ou seja, que eu saiba, isto não dá para descontos de IRS.

    Por esta razão, apenas ouço música no myspace! Ora, lá está, as própria bandas a terem actos de pirataria, e certamente com a autorização das editoras!
    Falsos moralismos.

    E, as rádios? Isto não é pirataria? Ouvimos na rádio, não compramos CDs, certo?

    2º. Livros. Porque razão certos livros têm o preço que têm? Nós não estamos a pagar pelo livro. Estamos a pagar pelo nome da pessoa que o escreve. Porque razão havemos nós de pagar um nome, e não um livro? É ridículo. Por esta razão é que apenas leio artigos na Internet!

    3º. Filmes. Compramos bilhete de cinema. Depois, acontece que fomos enganados pelo “trailer”, e o filme foi uma grande merda. O dinheiro é devolvido? Não!
    Imaginemos que o filme é bom. Futuramente, seria bom poder revê-lo. Ora, porque razão temos nós, que já pagamos o devido, ter que pagar novamente por uma DVD ou cassete de vídeo? Porque não nos é oferecido aquando da compra do bilhete de cinema? Pois…

    E, a Zon, Meo, etc. RTP, TVI, SIC, etc., que eventualmente passarão os filmes? Isto não é pirataria? Isto rouba às editoras, certo?

    Enfim… falsos moralismos da merda!

    • “E, a Zon, Meo, etc. RTP, TVI, SIC, etc., que eventualmente passarão os filmes? Isto não é pirataria? Isto rouba às editoras, certo?” – Elas fazem acordos com a emissora que envia os filmes nao sei se sabes e isso vale um X de dinheiro…

      “2º. Livros. Porque razão certos livros têm o preço que têm? Nós não estamos a pagar pelo livro. Estamos a pagar pelo nome da pessoa que o escreve. Porque razão havemos nós de pagar um nome, e não um livro? É ridículo. Por esta razão é que apenas leio artigos na Internet! ” – Nao sei se sabes mas podes comprar um livro no teu iPad no itunes… e ver e ler e esse livro no teu ipad ou telemovel depende do caso…

      Entre outras coisas…

  10. LOL, a população portuguesa é muito stressada, necessitam de um relaxante à altura,

    LEGALIZE MARIJUANA

  11. Resposta do Partido Pirata Português a este caso:
    http://partidopiratapt.eu/arquivos/1006

  12. nao á volta a dar.. esta industria vai de mal a pior.
    com os preços que se praticam muitos começam a manda vir tudo das lojas do estrangeiro, UK etc.. mesmo que um dia filtrem os ips de quem faz downloads ilegais o pessoal vai a feira e compra uma copia tá andar. :-P

  13. @ morionadidere

    Quanto a isso dos canais, não sabia, admito.

    Quanto aos livros, sou obrigado a comprar um iPad? E, porque razão é que pago os nomes dos autores, e não o valor justo pelos livros?

    Enfim, de qualquer das formas tudo isto faz lembrar-me de algo que aconteceu há pouco tempo. Uma grande editora de cinema dos Estados Unidos da América, salvo erro, que ia ser levada a tribunal por uma outra empresa, por actos de pirataria, pois estava a usar tecnologia anti-pirataria sem licença da respectiva empresa… Ou seja… pirataria.

    Falsos moralismos é o que está a dar.

    • é como o governo, nao? A UE tava sempre a dar contra aos ISV em portugal e na polonia, agora ate ja fizeram um acordo que nem se importam mais com isso.
      Ao fim ao cabo legarizaram esse ISV…

      LOL

      Falsos moralismo ná sei… so sei que nao é necessario comprares um ipad para leres livros, no telemovel tambem tem livros e eu tiro gratuitamente, é pirataria mas nao fui eu que desbloquei os codigos para esses livros ficarem 100% free, essa é que é essa!

  14. ai é??nao faz mal saco com megaupload,rapidshare,easy, tudo gratis.Se baixassem os preços ninguém fazia download. Se quissesem acabar com os Downloads era fácil acabavam com os Downloads ilimitados.Poi smas isso nao convém nao é?é como os carros há acidentes em excesso de velocidade,mas se em portugal o permitido por lei é 120 nas auto-estradas porque razão há carros a dar mais??se fosse assim não havia ningém comprar.
    Força Piratas tamos com voçes.

  15. http://www.acapor.pt/html/destaques.php?destaque_id=311 aqui tem o comunicado.

    sabem o que me preocupa e que ainda ninguem referiu? como chegaram eles ao número de 15 milhões de downloads efectuados por ano do pirate bay.

    Sendo que os dados de navegação de todos os internautas Portugueses são privados e não podem ser acedidos por terceiros (e apenas podem ser disponibilizados caso a caso mediante ordem judicial) – Artigo 35º da Constituição Portuguesa alínea 3) e 4), em que se baseia a ACAPOR para chegar a esses números?

    isto tá muito mal contado

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: