« Coffee Break, faça uma pausa de 10 segundos RT Se7en Lite, personalização do Windows 7levada ao extremo »
09/12/2010
Escrito por em Notícias | 4.979 Leituras

… pelo menos propositadamente, como se tem especulado pela blogosfera e pelo próprio Twitter nos últimos dias.

O Wikileaks tem sido um tema quente dos últimos tempos, e como sempre, o Twitter tem sido um meio por excelência para divulgação de informação, opiniões e notícias. São centenas de milhares de tweets por minuto, e apesar disso o Wikileaks continua a não aparecer nos trending topics (tópicos mais falados no Twitter), o que levou a que se levantassem imediatamente acusações de censura.

O que acontece é que o Twitter está mesmo a “censurar” o Wikileaks, mas inadvertidamente. E a culpa é toda do Justin Bieber.

Esta omissão do Wikileaks nos trendings topics está relacionada com a arquitectura do próprio algoritmo de análise dos tópicos mais falados do Twitter, algoritmo esse que foi alterado recentemente devido a … Justin Bieber.

Devido às imensas queixas por parte dos utilizadores, cansados de milhões de tweets histéricos que colocavam Bieber no topo dos assuntos no Twitter durante, literalmente, semanas, o Twitter alterou o seu algoritmo de modo a que este prioritizasse novos tópicos com uma rápida ascenção em termos absolutos, ao invés de termos que se mantêm bastante falados durante um considerável período de tempo. Esta mudança é bastante importante e fulcral no paradigma instantâneo do Twitter, na medida em que permite uma mais correcta determinação das tendências e do que de novo surge por esse mundo. Essencial para responder ao What’s happening?

Portanto, termos como #wikileaks ou #cablegate não atingiram os trending topics porque o volume de tweets relacionados com esse tópico não cresceu exponencialmente em relação à média diária. O Wikileaks é algo que domina muitas conversas no Twitter há já semanas, pelo que, mesmo que tenho havido um aumento do número de tweets com a polémica recente, nada significativo o suficiente para levar o Wikileaks ao rankings.


Toda esta situação foi explicada e clarificada pelo Twitter no seu blog oficial, tornando-se assim o Twitter uma das poucas companhias a não boicotar, de alguma forma, a actividade do Wikileaks (depois de Amazon e PayPal, por exemplo, o terem feito). Contundo isto não é surpreendente, visto que é apenas o Twitter a seguir a sua própria identidade – o serviço tem-se caracterizado por ser um meio onde a informação, seja ela qual for, possa circular livremente.

Já agora, e porque ainda só mencionei o Justin Bieber em duas ocasiões neste artigo, sabiam que 3% dos servidores do Twitter são inteiramente dedicados a processar os tweets que mencionam esta ilustre personalidade musical?

Este artigo foi escrito por em 09 Dez, 2010, e está arquivado em Notícias, Websites. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
2 comentários em “Afinal o Twitter não está a censurar o Wikileaks…”
  1. Eh pah, o link vai dar a um video dos Da Weasel. LOL.

    Foi uma boa leitura :)

  2. eu adoro o Justin Bieber. Gostava k ele foss meu namorado. Sou fã dele. ADORO-O!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: