« Auslogics Disk Defrag, obrigatório desfragmentar o seu disco! Speedbit Video Downloader and Converter, descarregue e converta vídeos da Internet! »
22/02/2012
Escrito por em Mundo | 1.717 Leituras

Depois de ver várias tentativas de liberdade negadas, o Kim Schmitz (fundador do MegaUpload), viu hoje o tribunal a dar-lhe a possibilidade de aguardar o julgamento em casa, mas para isso teve que pagar uma caução, no entanto foi proibido de aceder à Internet e de reservar viagens de helicóptero.

O fundador do MegaUpload deve-se manter na sua propriedade de Auckland, com exepção para casos de emergência.

Depois de um mês da sua detenção, o Kim Schmitz, é acusado de ter lucrado de 175 milhões de dólares a partir da partilha de material protegido pelos direitos de autor.

Os advogados, em sua defesa, alegam que o MegaUpload apenas “oferece” uma solução de armazenamento online, negando assim todo o tipo de acusações…

Este artigo foi escrito por em 22 Fev, 2012, e está arquivado em Mundo, Notícias, Websites. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
4 comentários em “Fundador do MegaUpload libertado condicionalmente!”
  1. direitos de autor.. pois sim.. Michael Jackson também vendeu milhares de xemplares depois de morto.. E veio buscar os direitos dele de certeza… Pra ue se saiba, os direitos de autor, apenas são válidos no 1º lançamento. Após isso, os lucros vão todos pás editoras burlistas.

  2. Ricardo Santos diz:

    Que o homem teve lucro teve. Inquestionável.
    De que forma? Fornecendo um serviço de armazenamento online, assim como muitos outros serviços que temos à disposição na Web. A diferença aqui é que quanto a mim foram pouco cautelosos, uma vez que se mastigações o uso desse serviço. E quando assim é tornam-se num alvo. Os direitos de autor é relativo… Quem mais se queixa são as editoras e não os autores. Este tipo de serviços só favorecem os autores: divulgação e transmissão gratuita. O típico autor no caso de ser musico ganha mais tem a sua fonte de rendimento em concertos que propriamente em discos vendidos… No caso de alguém que escreva um livro ganha é na venda directa do livro à editora o resto são literalmente chichas… No caso da industria dos video jogos… Nem têm razão de queixa visto que a maioria tem funcionalidade online e para usufruir desta só adquirindo o jogo. Ou seja o megaupload foi um bode expiatório para atacar os serviços de armazenamento online. Se olharmos para o serviço de dropbox não é o mesmo? Pastas partilhadas com livros, mp3 etc …. Qual o controle? Se calhar por não gerar tanto lucro e ser orientado para a vertente Business este ainda não esteja com estatuto de alvo a abater.
    Cumpz

  3. Ricardo Santos diz:

    Nota: onde se lê mastigações (lol) é massificou… O meu corrector ortográfico automático tramou-me lol

  4. Para o kerodicas: ponham a notícia em envolve os herdeiros de Mário Puzo (criador do O Padrinho) e a Paramount Pictures.

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: