« Firefox 4, 5, 6 e 7 em 2011 Dispositivos Androids estão mais actualizados »
08/02/2011
Escrito por em Análises | 7.260 Leituras

A memória RAM é um dos componentes fundamentais do computador, a quantidade e qualidade da mesma tem influência directa no rendimento e fiabilidade, este é o único caso no qual podemos afirmar que a regra maior é melhor (ou neste caso: mais) se aplica na perfeição, mas com algumas excepções.

Imagem : OCZ

Este é o quinto artigo desta série, cujo propósito é clarificar os leitores no momento da compra de um novo PC, evitando assim ficar entregue nas mãos de quem vende, se ainda não o fizeram é recomendável que leiam os artigos anteriores (e também os comentários neles contidos) pois está lá informação que só faz sentido em conjunto:

Como escolher um computador: parte 1, tipo de computador.
Como escolher um computador: parte 2, caixa e fonte de alimentação.
Como escolher um computador: parte 3, placas mãe.
Como escolher um computador: parte 4, processadores.

Funcionamento da memória RAM.

Imagem : G.Skill

A memória RAM (do Inglês : Random Access Memory) é encarregada de guardar a informação temporariamente antes de ser processada, como explicamos no artigo anterior o CPU é o encarregado de fazer o processamento, mas não tem capacidade de armazenar a informação original e tampouco os resultados dos seus cálculos, por isso vai colocando e retirando a informação na memória RAM a medida que necessita dela.

Esta memória (ao contrário do que acontece com o armazenamento magnético ou inclusive o armazenamento em flash) é volátil, o que significa que quando o computador é desligado a informação nela contida é imediatamente apagada, e é também de acesso aleatório o que permite que a informação seja colocada em qualquer sítio da memória que esteja disponível.

História : A memória RAM dinâmica, tal e qual como a conhecemos hoje, apareceu pela primeira vez em 1966, e foi inventada por Robert Dennard que trabalhava na IBM.

Quantidade de memória adequada.

Certamente um dos temas mais polémicos é a quantidade de memória que é necessária no PC, toda a informação que é processada passa pela memória RAM (é mesmo toda sem excepção) o que implica que quanto mais quantidade tivermos melhor funciona o computador.

Imagem : G.Skill

Quando a capacidade da RAM é esgotada o sistema operativo recorre a um método chamado swapping (ou memória virtual), no qual a informação que não cabe na memória é temporariamente guardada no disco rígido, obviamente a velocidade de acesso do disco rígido é bastante menor que a da RAM o que diminui significativamente o rendimento do PC.

Perante isto a tendência dos utilizadores é adquirir grandes quantidades de memória, o que em parte está correcto, mas existe um segundo factor limitativo que não é tido em conta e que é o sistema operativo, o Windows tem limites de quantidade de memória, podemos colocar muita memória mas o operativo, embora reconheça a sua existência, só vai usar aquela para a qual está preparado.

Os limites actuais são os seguintes:

Windows XP de 32 bits = 2 GB.
Windows XP de 64 bits = 128 GB.
Windows Vista de 32 bits = 3,1 GB.
Windows Vista de 64 bits = 128 GB.
Windows 7 de 32 bits = 3,5 GB.
Windows 7 de 64 bits = 192 GB de RAM.

Como podem ver, as versões de 32 bits são bastante limitadas tendo em conta os parâmetros actuais, já as de 64 bits permitem colocar quantidades absurdas de memória, por tanto se optarem por usar o operativo de 32 bits mais do que 4 GB são completamente inúteis, no caso do XP mais do que 2 GB são um desperdício, já para versões de 64 bits podemos adquirir entre 6 e 8 GB sem problemas.

Escolher a memória.

Para além da quantidade a outros factores a ter em conta, por exemplo a velocidade da memória, que está dependente não só da capacidade financeira de cada um, mas também da velocidade que a placa mãe que vamos adquirir suporta, neste caso também quanto mais velocidade melhor, mas tenham em conta que os módulos de memória mais rápidos são também mais caros e em contrapartida oferecem poucas melhorias de rendimento.

Imagem : Tom´s Hardware

Também dependente das placas mãe (e processador a usar) a quantidade de módulos de memória pode variar, na maioria das placas actuais a tecnologia que impera é o Dual-channel, que consiste em ligações individuais entre cada módulo de RAM e o controlador de memória aumentando assim a largura de banda, neste caso e como o nome da tecnologia indica temos que colocar módulos aos pares, por exemplo, se a quantidade total de memória que pretendemos usar é 4 GB, temos que colocar dois módulos de 2 GB, ou quatro módulos de 1 GB.

Notem que para a funcionalidade de Dual-channel funcionar da melhor maneira os módulos de memória devem ser exactamente iguais, mesma velocidade e mesma latência (da qual vamos falar já a seguir), caso contrário a placa mãe vai nivelar a velocidade de todos os módulos pelo mais lento, de destacar também que embora esta funcionalidade esteja presente pode ser activada ou desactivada na BIOS, permitindo o uso de um único módulo ou de três, de referir também que os ganhos de rendimento com o Dual-channel activo são mínimos, no entanto tendo em conta que grande parte dos módulos que são vendidos no mercado vêem em pares não se perda nada em usar esta funcionalidade.

Existe também em algumas placas mãe (para processadores específicos) a funcionalidade Triple-channel, as regras são as mesmas que para o Dual-channel, só que em vez de pares de módulos terá que ser aos trios, a diferença é que no Triple-channel os módulos de memória podem ser usados em paralelo aumentando ainda mais a largura de banda, já no Dual-channel o segundo módulo só é usado quando o primeiro está cheio de informação.

Imagem : OCZ

Outro dado importante é a latência, a latência é o tempo que a informação demora a estar disponível para ser usada desde que a mesma foi solicitada pelo controlador de memória, quanto menor for a latência mais depressa a informação é mobilizada, o ideal é encontrar os módulos que tenham maior velocidade e menor latência, notem que também neste caso quanto menor for a latência mais dispendiosa fica a memória.

Para concluir esta longa explicação acerca da memória resta dizer que os utilizadores domésticos podem optar por comprar 2 ou 4 GB que será mais do que suficiente, para jogadores intensivos, edição gráfica, de áudio e de vídeo e também CAD/CAM o valor ideal estará entre os 4 e os 8 GB, optem também marcas com alguma fiabilidade, por exemplo: Kingston, Samsung, Corsair, OCZ, Crucial ou G.Skill.

Para as estações de trabalho com missões críticas, longos tempos de cálculos e operações podem seguir estas quantidades mas podem opcionalmente optar por memórias com paridade e tecnologia ECC (do Inglês: Error Correcting Code) que permite, a correcção de erros na transferência de informação, notem que a placa mãe tem que suportar esta funcionalidade, neste caso o rendimento vai diminuir mas a fiabilidade aumenta.

Ficaram esclarecidos quanto a memória RAM? Se tiverem dúvidas ou feedback atirem-se com força aos comentários.

Este artigo foi escrito por em 08 Fev, 2011, e está arquivado em Análises. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
23 comentários em “Como escolher um computador: parte 5, memória RAM.”
  1. Bravo!!

    Bom artigo ;). De forma a melhorar era só por os diferentes DDRs e as velocidades normais de mercado… porque isso também influencia né? Não tinha conhecimento do ponto da latência, e vou ter em conta em aquisições futuras… mas a velocidade também é importante ;)

    Continua assim,

    Cumps

    • Olá Gonçalo,

      De facto essa informação não está no artigo, mas é assim propositadamente, o objectivo é que estes artigos estejam vigentes durante muito tempo, se colocar as velocidades actuais daqui a alguns meses o artigo estará desactualizado, já com os processadores fiz a mesma coisa.

      No artigo final de esta série ficará lá essa informação.

      Abraço. :)

  2. Estás enganado em relação aos limites da ram nos diversos sistemas operativos. Sei que o Windows XP 32bits suporta 3Gb. E nao podes dizer que é desperdício ter mais de 2Gb porque eu ja trabalhei num com 3Gb e ás vezes quase enchia. E não era a jogar era a trabalhar com programas muito pesados.

    Sistema 32bit 64bits

    Windows XP 4 GB 128 GB
    Windows XP Starter Edition 512 MB
    Windows 7 Ultimate 4 GB 192 GB
    Windows 7 Enterprise 4 GB 192 GB
    Windows 7 Professional 4 GB 192 GB
    Windows 7 Home Premium 4 GB 16 GB
    Windows 7 Home Basic 4 GB 8 GB
    Windows 7 Starter 2 GB 2 GB

    Obrigado

    • Olá Daniel,

      Lamentavelmente para quem ainda usa o XP não estou enganado, a minha falha foi não explicar o porque deste limite, mas vou explicar agora, certamente tendo em conta o teu background esta explicação não será novidade para ti ;) , mas fica para os restantes leitores:

      O XP quando detecta mais do que 2 GB de memória atribui automaticamente o excedente para funcionalidades do Kernel e do Hardware, independentemente se os precisar de usar ou não, mas só ficam realmente disponíveis para utilização de aplicações de terceiros os primeiros 2 GB, esta limitação é real e está directamente limitada pelo operativo, já no Vista e no 7 o valor que é reservado foi diminuído o que permite de facto usar os 3,1 GB e 3,5 GB destes últimos.

      Quando falas no suporte aos 3 GB no XP estás certamente a referir-te ao switch /3GB que é necessário adicionar manualmente no ficheiro boot.ini, mas esta solução pode criar mais problemas do que aquilo que resolve, muitas aplicações e controladores entram em conflito com este switch criando bastante instabilidade, nomeadamente os controladores das placas gráficas em particular, isto é uma solução pontual que pode funcionar ou não dependendo do computador e programas usados.

      Por ser uma solução que requer uma alteração manual de um ficheiro de sistema e não garantir uma solução a 100% é desaconselhável o seu uso, limitando efectivamente o XP aos 2GB.

      Abraço. :)

      • Tens razão. Eu apenas percebo de software e desenvolvimento do mesmo. Não me especializei em hardware ou em sistemas operativos ao nível do kernel etc, apesar de ter algumas noções.
        O dados que apresentei foram tirados de um site da microsoft. Mas com a tua justificação entendi melhor ;)

        Mas claro que isto tudo serve é para escolher uma boa memória para um computador.

        Abraço.

      • tenho aprendido mais com os comentários do que com o artigo :lol:

        • Olá Freitas,

          Eu sou dos que acha que os comentários fazem parte integrante dos artigos, e quando são todos construtivos (como tem sido o caso nesta série) permitem acrescentar bastante informação.

          Abraço. :)

  3. applethebest diz:

    Se uma pessoa que queria comprar um computador porreirito e tiver que ler isto tudo, então só lá para o fim deste ano :-|

    • naaaaaa… o intuito desta série de posts é dar um conhecimento maior ao utilizador comum… Neste caso “é escolher um computador” não obrigatoriamente de comprar um amanhã… não o digo para defender o trabalho do Pedro Lopes, mas é claro que se uma pessoa quer comprar um PC amanhã é fácil (não atendendo às especificidades de cada uso de utilizadores):

      Escolher um processador iCore;
      Grafica nVidia ou ATI;
      RAM, quanta mais melhor…

      Mas isso não transmite o conhecimento desta série de posts que até tem história à mistura ;).

      Claro que para ti, a escolha de um pc seria fácil: um MAC! lol ;)

      Cumps

    • Caro applethebest,

      É preciso é ter calma, lá diz o ditado: devagar se vai longe, de qualquer modo quem estiver para comprar agora a melhor coisa que tem a fazer é esperar, se comprarem já e escolherem Sandy Bridge levam material actualizado mas com defeito, se não comprarem Sandy Bridge levam material bom mas desactualizado.

      E como bem disse o Gonçalo, o intuito não é escolher já, mas sim ter conhecimento geral para poder escolher com mais certezas.

      Abraço. :)

      • Uma conhecida loja de informática em Lisboa diz que o problema do Sandy Bridge nao é impeditivo de comprarem o equipamento, Basta que liguem os componentes SATA às entradas SATA III, e quando chegarem as boards novas eles tratam de as substituir…

        Claro que esta solução é mesmo só para quem estiver desesperado… e com vontade de andar a montar/desmontar o pc…

  4. Uma pequena dúvida. relativamente a preços, seria mais vantajoso construir um computador ou comprar um?

    • Olá André,

      Se estás a falar de seres tu próprio a comprar as peças e fazer a montagem pode eventualmente ficar mais barato, podes comprar determinados componentes nas lojas que te oferecerem o melhor preço, mas se alguns componentes falharem isto traz alguns problemas na hora da garantia, pois tens que desmontar e as lojas começam a esquivar a responsabilidade.

      O melhor é escolheres tu os componentes e mandar montar o PC numa loja local, assim se houver problemas basta deixar lá o caixote e recorrer a garantia de dois anos, como foram eles que montaram não se podem descartar de responsabilidades.

      Só mais um pormenor, para quem quer comprar às peças tem que escolher tudo de uma vez, não adianta comprar uma peça cada mês, quando as tiverem todas o computador estará desactualizado, eu sei que dá mais jeito financeiramente mas não é recomendável.

      Abraço. :)

  5. De não esquecer, e desconheço se há problemas associados, é possível ter mais memoria num XP 32bits, criar uma drive virtual, e colocar lá o ficheiro de swap e directorias temporárias
    PS: Nunca fiz isso, até porque só tenho 2G que chegam bem.

    • Olá Luís,

      A tua observação está correcta, é o chamado Ram Disk, existem várias soluções no mercado gratuitas e pagas que podem usar espaço da memória RAM como se fosse um disco local, e aparentemente na pesquisa que estive a fazer graças a o teu comentário algumas destas aplicações alegadamente podem usar os 2 GB de espaço reservado pelo sistema operativo.

      Confesso que nunca testei estes programas (é mais uma coisa que tenho de acrescentar a lista de afazeres ;) ) se de facto funcionar como anunciado o ideal seria colocar a memória virtual dentro do espaço reservado, assim teríamos certamente um incremento do rendimento.

      O VSuite Ramdisk Free Edition teoricamente consegue fazer isto, mas repito que nunca o testei e não sei se funciona bem, e também não tenho nenhum PC com XP e 4 GB de RAM para testar, quem se quiser aventurar o endereço é o seguinte:

      http://www.romexsoftware.com/en-us/vsuite-ramdisk/download.htm

      Se alguém testar deixe depois aqui um comentário com os resultados.

      Abraço. :)

  6. Afonso Correia diz:

    Olá Pedro Lopes, desde ja quero felicita-lo pela grande ajuda que me deu, não sabia qual computador haveria de escolher, e este forum deu-me uma grande grande ajuda.
    Gostaria de pedir a sua opinião a cerca deste computador: Medion Akoya E2082 D Desktop PC (Intel Pentium G630 2.7GHz, 4GB RAM, 1TB HDD, DVD/CD-RW, LAN, Intel HD 2000 Graphics, Windows 7 Home Premium 64-Bit), eu nao tenho muito dinheiro para investir num computador, mas gosto de jogar de vez em quando e preciso mesmo de um. Acha este um bom computador razao qualidade preço? gostaria que se soube-se me indica-se um bom computador com mais ou menos este preço.
    Abraço e muito obrigado!

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: