« Rogue Gallery, lista dos falsos antivirus ISO Workshop – para quem trabalha com imagens de discos »
01/03/2011
Escrito por em Análises | 7.308 Leituras

Imagem : Thermaltake

Comprar um computador não é tarefa fácil, escolher os componentes nos quais vamos despender o fruto do nosso trabalho requer uma análise cuidada de maneira a não ficar com uma máquina desadequada as nossas necessidades.

Este artigo, que será actualizado uma vez por mês, apresenta quatro configurações base e algumas considerações que servem de guia para a vossa escolha, obviamente cada caso é um caso e não é possível apresentar aqui todas as variáveis que satisfaçam a todos os leitores.

Os artigos explicativos dos componentes têm por objectivo ajuda-los a perceber como funcionam as coisas, penso que depois de os lerem serão capazes de olhar para os testes que são realizados nas revistas e sites com outros olhos facilitando assim a vossa escolha, e mais importante, apresentarem-se numa loja com noção daquilo que querem comprar, para quem ainda não os leu ficam aqui os links:

Como escolher um computador: parte 1, tipo de computador.
Como escolher um computador: parte 2, caixa e fonte de alimentação.
Como escolher um computador: parte 3, placas mãe.
Como escolher um computador: parte 4, processadores.
Como escolher um computador: parte 5, memória RAM.
Como escolher um computador: parte 6, placas gráficas.
Como escolher um computador: parte 7, disco rígido e periféricos.

Considerações iniciais.

Antes de passarmos as configurações convêm aqui referir que nem o autor de este artigo nem o site Kerodicas vendem qualquer um dos componentes aqui mencionados nem têm qualquer aproveitamento da venda dos mesmos, estas configurações são o produto não só de experiência pessoal mas também de análises a testes de grupo feitos por sites e revistas da especialidade, e têm que ser vistas como um “conselho”, cabe aos leitores analisarem as informações aqui apresentadas e lerem também os testes nas várias publicações para poderem fazer uma escolha bem fundamentada.

São aqui apresentadas quatro configurações, um computador de média gama de 750€, outro de média gama mas de 1000€, um topo de gama de 1600€ e uma estação de trabalho de 2000€, estes preços já incluem IVA e são para computadores “completos”, com monitor, teclado, rato, colunas e sistema operativo incluídos, caso já tenham os periféricos e pretendam adquirir somente a caixa com os seus componentes podem descontar 200€ no preço total, notem que todos estes valores são aproximados, os preços variam consoante as lojas e zonas geográficas, tenham então em conta uma tolerância de +/- 50 euros.

Não posso continuar este artigo sem deixar aqui a minha opinião acerca dos patamares de preços, como comprador de computadores para ambiente doméstico e perante a situação económica actual não faz para mim muito sentido comprar um PC fraco que tenha depois que estar a actualizar todos os anos ou de dois em dois anos, também não faz sentido nenhum comprar um topo de gama que vai ficar desactualizado daqui a seis meses e pelo qual vou pagar mais 50% mas só me vai oferecer mais 10% ou 20% de rendimento.

Na perspectiva de um utilizador normal faz mais sentido comprar um computador médio mas francamente bom, e que se mantenha no activo durante pelo menos 4 anos sem ter de ser actualizado, das configurações aqui apresentadas a minha aposta iria ser sem dúvida nenhuma o computador de 1000€, bastante performance, preço razoável e longa vida de duração, mesmo para trabalho profissional a minha escolha seria a mesma, seja como for têm várias opções ao vosso dispor, a escolha é vossa.

Só mais uma informação para os que têm intenções de adquirir um topo de gama, a Intel introduzirá no terceiro trimestre deste ano uma nova versão do seu processador de topo, o que vai implicar novo socket e novo chipset, leia-se uma nova placa mãe, dai a minha insistência de que “nunca vale a pena comprar topo de gama” quem o fizer agora paga para cima de um dinheirão e fica desactualizado daqui a seis meses, e quem comprar daqui a seis meses ficará logo desactualizado no início do ano seguinte, o mais indicado financeiramente é comprar “sempre” de média gama.

Plataforma.

A plataforma escolhida para todas as configurações é a Sandy Bridge, a mais recente criação da Intel, a razão é simples, são os processadores que oferecem o melhor rendimento e menor consumo energético por cada euro gasto, quando (e se) a AMD conseguir igualar ou melhorar o desempenho desta plataforma da Intel terá certamente lugar nas configurações.

O problema existente nas placas mãe da plataforma Sandy Bridge que afectava as portas SATA foi resolvido pela Intel em meados de Fevereiro, nas próximas duas semanas as novas placas já corrigidas começarão a atingir o mercado.

A maneira de reconhecerem os processadores da plataforma Sandy Bridge é através da sua identificação, os antigos que faziam parte da plataforma Clarkdale estavam identificados com três dígitos, por exemplo: i3-560, os novos têm quatro dígitos, por exemplo: i3-2120, de referir ainda que os processadores i3 são de entrada de gama, os i5 de média gama e os i7 de topo de gama, os que tiverem um “T” ou um “S” depois dos dígitos indica que são processadores com menor consumo energético, os que tiverem um “K” depois dos dígitos indica que o multiplicador está desbloqueado permitindo assim o overclock.

Podem clicar aqui para ver uma tabela comparativa com todas as especificações de todos os processadores para computadores de escritório da plataforma Sandy Bridge.

As placas mãe indicadas para a plataforma Sandy Bridge são as que têm o socket 1155 e os chipsets H67 e P67, sendo que o H67 é o mais barato e pode tirar partido da placa gráfica incluída dentro do processador, já o P67 é ligeiramente mais dispendioso e indicado para computadores de média gama e topo de gama, não pode usar a placa integrada no CPU mas permite o overclock e a utilização de várias placas gráficas dedicadas.

Componentes partilhados.

Para facilitar o meu trabalho, e também a vossa compreensão deste artigo, vários dos componentes incluídos são os mesmos para as quatro configurações, a saber :

Caixa- A caixa escolhida é uma ATX das mais baratas, o preço considerado é de 35€, neste patamar existem muitas caixas disponíveis, certamente encontrarão uma ao vosso gosto.

Fonte de alimentação- A fonte escolhida é modular, tem quatro canais de 12V de 18A e mais de 70% de eficiência energética, no caso dos computadores de média gama não seria necessária uma fonte tão capaz, mas como disse mais acima foi para facilitar as coisas, o preço considerado é de 75€, escolham da marca que quiserem, a que eu escolhi foi uma Nox Apex de 600W.

Gravador de DVD- Não existem diferenças nenhumas assinaláveis entre os gravadores de DVD disponíveis no mercado, o preço estimado é de 20€, escolham de qualquer marca (sempre e quando sejam LG ou Samsung), se preferirem um leitor de Blu-Ray que grave DVD terão de adicionar mais 60€ ao preço total.

Teclado e rato- Foi considerado um conjunto de teclado e rato com fios da Microsoft no valor de 30€, obviamente nestes periféricos o gosto e facilidade de utilização falam mais alto, por isso escolham aquilo que acharem melhor.

Colunas de som- Há colunas e há colunas, mas a menos que sejam muito esquisitos com a qualidade qualquer conjunto 2.1 da Logitech ou da Creative terá som mais do que suficiente, o considerado foi o Logitech X-210, com um valor estimado de 40€ e com 10 watts RMS no sub-woofer produz um som com qualidade francamente boa, não estejam é a espera de poder fazer uma rave com elas.

Monitor- O monitor é um LED de 21,5” com 5 ms de tempo de resposta e contraste de 1000:1, podem escolher de várias marcas (sempre e quando seja Samsung), o preço estimado é de 150€.

Sistema Operativo- Obviamente o Windows 7 Home Premium de 64 bits em Português, o preço da versão OEM anda nos 100€/120€, de referir que quem quiser ligar o PC a um domínio de rede terá de optar pela versão Profissional em vez da Home Premium, mas essa custa 140€/150€.

PC de média gama de 750€.

Placa mãe- Para este baixo preço tem que ser uma com chipset Intel H67, das marcas Asus, MSI ou Gigabyte, de maneira a aproveitar a placa gráfica integrada no processador, a que foi considerada foi uma Asus P8H67.

Processador- Intel Core i3 2100, com dois núcleos a 3,1 GHz de velocidade.

Memória Ram- 4 GB a 1333 Mhz de velocidade, foi considerado um kit da marca G.Skill modelo Ripjaws, dois módulos de 2 GB para serem ligados em dual-channel.

Placa gráfica- Intel HD 2000 integrada dentro do processador, esta placa é capaz de representar vídeo em alta definição de 1080p e é suficiente para tarefas básicas, mas não serve para jogos, se quiserem usar este computador para jogos terão de apostar numa placa dedicada, por exemplo uma AMD Radeon HD 5570, não é das mais recentes mas tem prestações bastante aceitáveis em jogos, mas terão de adicionar +/-70€ ao orçamento.

Disco rígido- Um disco com 500 GB, 7200 rpm, 16 MB de cache e interface Sata II, oferecerá rendimento suficiente para este computador, a minha preferência recai na marca Western Digital, mas podem comprar da Samsung ou da Seagate.

PC de média gama de 1000€.

Placa mãe- Com chipset Intel P67 para salvaguardar a possibilidade de adicionar uma segunda placa gráfica no futuro, das marcas Asus, MSI ou Gigabyte, a que foi considerada foi uma MSI P67A.

Processador- Intel Core i5 2400, com quatro núcleos a 3,1 GHz de velocidade.

Memória Ram- 4 GB a 1333 Mhz de velocidade, foi considerado um kit da marca G.Skill modelo Ripjaws, dois módulos de 2 GB para serem ligados em dual-channel.

Placa gráfica- AMD Radeon HD 6850 ou Nvidia GeForce GTX 460 com 1 GB de memória e bus de 256 bits, a série 6000 da Amd é a mais recente e oferece um excelente rendimento em monitores grandes e nos jogos, já a série 400 da nvidia não sendo a mais recente neste modelo em particular (GTX 460) bate-se taco a taco com a Radeon, podem escolher de qualquer marca, as diferenças são mínimas, a minha preferência pessoal recai nas placas com processador da Nvidia.

Disco rígido- Um disco com 1 TB, 7200 rpm, 32 MB de cache e interface SATA III, oferece um excelente desempenho, a minha preferência recai na marca Western Digital, mas podem comprar da Samsung ou da Seagate.

PC topo de gama de 1600€.

Placa mãe- Com chipset Intel P67 para salvaguardar a possibilidade de adicionar uma segunda placa gráfica no futuro, das marcas Asus, MSI ou Gigabyte, a que foi considerada foi uma ASUS P8P67 com capacidades de overclock.

Processador- Intel Core i7 2600K, com quatro núcleos a 3,4 GHz de velocidade, reparem que tem um “K” no final, é o processador desbloqueado que permite overclock.

Memória Ram- 8 GB a 1600 Mhz de velocidade, foram considerados dois kits da marca G.Skill modelo Ripjaws, quatro módulos de 2 GB para serem ligados em dual-channel.

Placa gráfica- AMD Radeon HD 6970 ou Nvidia GeForce GTX 570 com 1 GB de memória e bus de 256 bits, a série 6000 da Amd é a série 500 da Nvidia são as mais recentes e estes modelos em particular estão no topo da cadeia alimentar e oferecem rendimento mais do que suficiente para qualquer aplicação, podem escolher de qualquer marca, as diferenças são mínimas, a minha preferência pessoal recai nas placas com processador da Nvidia.

Disco rígido- Um disco SSD de 60 GB Corsair Force Series para o sistema (importante: mesmo que seja de outra marca o disco SSD tem que ter o controlador Sandforce pois são os mais rápidos), e um disco normal com 1 TB, 7200 rpm, 32 MB de cache e interface SATA III, para armazenamento, a minha preferência recai na marca Western Digital, mas podem comprar da Samsung ou da Seagate.

Estação de trabalho de 2000€.

Placa mãe- Com chipset Intel P67 para salvaguardar a possibilidade de adicionar uma segunda placa gráfica no futuro, das marcas Asus, MSI ou Gigabyte, a que foi considerada foi uma ASUS P8P67.

Processador- Intel Core i7 2600, com quatro núcleos a 3,4 GHz de velocidade.

Memória Ram- 8 GB a 1600 Mhz de velocidade, foram considerados dois kits da marca G.Skill modelo Ripjaws, quatro módulos de 2 GB para serem ligados em dual-channel.

Placa gráfica- Nvidia Quadro 4000 com 2 GB de memória e bus de 256 bits, estando a meio da tabela das placas profissionais tem performance suficiente para trabalho pesado de 3D.

Disco rígido- Western Digital Velociraptor de 600 GB, 10000 rpm, 32 MB de cache e interface SATA III, com tempos de procura na casa dos 4 ms, é a melhor opção para estações de trabalho.

E após esta longa dissertação a zona dos comentários é toda vossa para apresentarem dúvidas, nos próximos artigos vamos passar dos computadores fixos para os móveis, vamos falar de portáteis netbooks e tablets.

Este artigo foi escrito por em 01 Mar, 2011, e está arquivado em Análises. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
6 comentários em “Como escolher um computador: Março de 2011”
  1. Muito bom, para quem estiver interessado em comprar um PC novo e tendo em conta que irá manter-se actualizado (1 x por mês) é uma óptima ajuda que dão às pessoas.
    Quando me perguntarem que componentes por no PC indico o vosso artigo.

    Continuação de bom trabalho.

    • Olá Renato,

      Não se avizinham muitas alterações nos próximos meses, mas seja como for todos os meses haverá um artigo novo actualizado, mais não seja para mudar o mês no título, jejeje.

      Abraço. :)

  2. Pedro Martins diz:

    Não gostei nada dessas configurações.
    Para quem já tem periféricos:

    PC de média gama de 1000€.

    Placa mãe- Asus P8P67 144€
    Processador- Intel Core i5 2500k 215€
    Memória Ram- 4 GB a 1600 Mhz de velocidade, foi considerado um kit da marca G.Skill modelo Ripjaws, dois módulos de 2 GB para serem ligados em dual-channel. 47€
    Placa gráfica- AMD Radeon HD 6870 ou Nvidia GeForce GTX 570. [240€- 360€]
    Disco rígido- Um disco com 1 TB, 7200 rpm, 32 MB de cache e interface SATA III, comprar da Samsung. 54€
    e ainda faltam:
    -a caixa thermaltake v3 43€
    -a fonte xfx 650w core edition média de 85€
    – drive LG ou Asus 20€

    Assim está melhor.

    • Olá Pedro,

      Como disse no início do artigo não posso criar configurações para todos os gostos, defini uns preços limite e escolhi os componentes de maneira que as configurações ficassem o mais equilibradas possível.

      O que estás a sugerir leva o preço total do PC completo para 1250€, patamar que lamentavelmente eu não considerei, seja como for a tua sugestão é valida e perante os componentes que escolheste esse PC seria dedicado a jogos, só não aconselho as drives da Asus, todas as que usei (ai uma meia dúzia) deram problemas, mas mesmo todas.

      Em relação a gráfica não podemos comparar uma Radeon 6870 com uma GeForce 570, neste caso a Radeon é mais fraca, já a 6970 é que é indicada para confrontar a GF 570, ou então tens que colocar uma GF 560 Ti para equiparar acom a Radeon 6870.

      Abraço. :)

  3. Gustavo Tylor diz:

    Bom tópico, interssante que você estipulou para cada tipo de usuário, isso facilita bastante na hora de decidir para onde direcionarmos, tenho um colega de faculdade que comprou um computador com a configuração bem boa (AMD) neste site semana passada, deixo como indicação pro pessoal.
    http://www.lojasmm.com/ch/cat/266/0/MaisVendidos/Decrescente/20/1/0/0/.aspx
    Também to pensando em comprar :) hehehehe

    Abraço! :-D

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: