« PureSync: aprenda a guardar os dados da sua rede de forma completa Coffee Break, faça uma pausa de 10 segundos »
10/02/2011
Escrito por em Cinema | 2.455 Leituras

O KeroDicas.com volta a apresentar o regresso de uma das mais carismáticas rubricas que por aqui tem passado: Cinematograficamente Falando…é uma rubrica elaborada por Hugo Gomes @ cinematograficamentefalando.blogs.sapo.pt, cujo objecto é a apresentação, em forma de resenha, das próximas estreias cinematográficas da semana corrente e respectivas críticas a outros títulos, que vos podem, ou não, ajudar a tomar a decisão de ver o filme em questão.

Esta semana em destaque O Discurso do Rei, The Fighter, Sexo Sem Compromisso, entre outros títulos, com estreia marcada para quinta-feira…

ESTREIA DA SEMANA


O Discurso do Rei

Real.: Tom Hopper / Int.: Colin Firth, Geoffrey Rush, Helena Bonham Carter

Colin Firth demonstrou no ano passado, pela mesma altura, que se trata dos mais prestigiados e cobiçados actores britânicos da actualidade, coisa imprevisível há alguns anos em que actor entrava em fitas como Bridget Jones´s Diary, Love Actuality ou até mesmo What a Girl Wants, pudesse oferecer desempenhos tão excitantes e próximo do perfeito como em A Single Man do estreante Tom Ford.
Após perder o Óscar para Jeff Bridges, que interpretava o musico country Bad Blake em Crazy Heart (Scott Cooper), Firth, decidido à caça da estatueta, protagoniza este drama que passou por dificuldades na sua própria produção. Para Tom Hopper (o realizador), um estúdio negou o seu financiamento, explicando que não se encontrava em produzir dramas porque simplesmente não dão dinheiro, muito menos um envolto da gaguez do rei George VI. O certo é que ninguém imaginava que The King’s Speech fosse um dos mais elogiados filmes do ano 2010, recebendo inúmeros prémios pelo caminho e estando nomeado a 12 Óscares de Academia, incluindo as categorias de Melhor Filme, Melhor Actor e Melhor Realizador, acreditando mesmo que é o maior dos obstáculos para a vitória de The Social Network de David Fincher na consagração dos mais importantes prémios do cinema, e quanto ao rendimento, o biopic de Hopper não se encontrou mal, tendo já arrecadado 170 milhões de dólares em todo o mundo. Por outras palavras a gaguez de um rei nunca fora tão falado, nem mesmo Colin Firth apontando como um dos grandes favoritos para a noite dos Óscares.
O seu desempenho é fenomenal, recriando um monarca inseguro, futuro rei, que imperativamente precisava de ser a Voz de uma nação, o britânico actor é tão convincente no seu papel que mesmo os tiques de gaguez consegue mimetizar, e não falo da “estranha” maneira de falar, mas sim dos movimentos bocais e faciais que transmitem de forma realista a luta do homem contra a sua deficiência oratória.
The King’s Speech é para além de mais a história de amizade entre dois homens de meia-idade, o já referido rei George VI e do australiano Lionel Logue (interpretado pelo magistral e talentoso Geoffrey Rush), o seu terapeuta da fala, o único capaz de ajudar o monarca no combate a sua protagonizada gaguez. Recentemente a Rainha de Inglaterra, Elizabeth II, filha de George VI, assistiu à fita numa sessão privada e o resultado foi comovente. The King’s Speech conta ainda com Helena Bonham Carter (também ela nomeada ao Óscar), Guy Pearce (Memento, The Hurt Locker), Timothy Spall (Harry Potter and the Prisioner of Azkaban) no elenco. Um dos raros filmes que tal como o protagonista possuem realmente uma voz.

TOP 5 – Colin Firth

5- The Importance of Being Earnest (2002, Oliver Parker)

4- Shakespeare in Love (1998, John Madden)

3- Valmont (1989, Milos Forman)

2- And When You Last See Your Father? (2007, Anand Tucker)

1 – A Single Man (2009, Tom Ford)


OUTRAS ESTREIAS


The Fighter – O Ultimo Round

Real.: David O’Russell / Int.: Mark Wahlberg, Christian Bale, Amy Adams

De boxe está o cinema cheio, desde o clássico Body and Soul (1947) com John Garfield até ao comercial Rocky (1976), passando pelo dramático Million Dollar Baby (2004) do realizador Clint Eastwood, o biográfico Ali de Michael Mann e até o corajoso Raging Bull de Martin Scorsese. Em 2011 eis que estreia nas nossas salas, o talvez, novo clássico do cinema de pugilismo, com este duplo biopic denominado de The Fighter, por cá recebendo o titulo de O Ultimo Round. A premissa centra-se na verídica história de dois irmãos, unidos pela paixão de boxe, cujo mais velho, Dicky Eklund (um fantástico Christian Bale), tenta direccionar a carreira do seu congénere mais novo, Micky Ward (Mark Wahlberg).
Porém, a personagem de Bale encontra-se perdida entre a droga que o auto-destrói. The Fighter é um projecto pessoal para o actor Wahlberg (Max Payne), que lutou cinco anos para o concretizar, o desejo de adaptar esta formidável história de o “velho sonho americano” advém da sua amizade com o próprio pugilista, Micky Ward.
De seguida surgiu Christian Bale que aproveitou as recusas de Brad Pitt e Matt Damon, para entrar no projecto, interpretado com ambição o irmão de Ward, Dicky Eklund, que para além de estudar os seus maneirismos, o actor teve que emagrecer para poder interpretar o papel. Depois chegou á altura de escolher o realizador, Wahlberg recomendou Martin Scorsese a dirigi-lo durante a rodagem de The Departed, assinalando que o clássico filme Raging Bull foi a grande influência da história. Mas ao autor recusou exprimindo que não queria realizar mais nenhum filme de boxe.
O projecto ainda caiu nas mãos de Darren Aronofsky (Black Swan), que teve que abandonar, até chegar a David O’Russell (The Three Kings). De momento The Fighter é um dos mais fortes candidatos ao Óscar deste ano, principalmente na categoria de Melhor Actor Secundário, Christian Bale venceu o Golden Globe da sua respectiva categoria, e as actrizes Melissa Leo e Amy Adams, ambas nomeadas para Actriz Secundaria. A não perder!

Sexo sem Compromisso

Real.: Ivan Reitman / Int.: Natalie Portman, Ashton Kutcher, Kevin Kline

Chega-nos No Strings Attached, uma comédia romântica protagonizada por Natalie Portman, a actriz do momento, produzida pela produtora anunciada por ela em 2007, Handsome Charlie Films, especializada em comédias ordinárias para mulheres. A nomeada ao Óscar por Black Swan de Darren Aronofsky interpreta Emma, amiga de infância de Adam (Ashton KutcherKillers).
Um dia o par envolve-se sexualmente e estabelecem um acordo entre ambos, em que as suas relações são estritamente físicas, sem romantismos nem sentimentalismos adicionais. A juntar ao elenco temos Kevin Kline (Wild Wild West), um veterano no cinema tal como o realizador, Ivan Reitman, curiosamente pai do também realizador Jason Reitman (Up in the Air, Juno). Reitman ficará marcado no cinema da comédia como o pai dos Ghostbusters, êxito de 1984 com Bill Murray com protagonista que contou com uma sequela em 1989, em 2006 havia realizado o pouco elogiado My Super Ex-Girlfriend, com Uma Thurman e Luke Wilson. Desenganem-se, No Strings Attached não é um filme de cariz romântico nem a personagem de Natalie Portman não cederá facilmente às “teias” do romantismo, sendo o seu papel ousado e de certa forma escatológico. Todavia os elogios que recebera em Black Swan, não foram os mesmos que recebeu com esta fita, sendo quem o considere No Strings Attached o grande obstáculo para a actriz vencer a tão cobiçada estatueta de Melhor Actriz, tendo em conta o timing que estreou. Mesmo assim não se perde em dar uma espreitadela nisto.

CRITICAS


Cisne Negro

Real.: Darren Aronofsky / Int.: Natalie Portman, Mila Kunis

Pontuação – *****

Trocando por miúdos, nunca um filme de ballet foi tão envolvente como este Black Swan, um filme que combina o thriller e o terror com claras influências de The Shining, onde novamente volta a explorar a dualidade do protagonista. Onde em 1980 era Jack Nicholson a ser dado como louco, desta vez é Natalie Portman a conduzir o filme numa paranóia sem precedentes. Mila Kunis e Barbara Hershey fazem o resto, nesta obra-prima indiscutível.

As Viagens de Gulliver

Real.: Rob Letterman / Int.: Jack Black, Emily Blunt

Pontuação – *

Cinema para família, é pelo menos aquilo que se tenta vender, todavia este Gulliver’s Travel é uma daquelas obras cuja sua produção só justifica com a explosão do formato 3D. A comédia é fraca, mas o pior está na ofensa que a fita de Rob Letterman consiste quanto á matéria-prima que adapta, o clássico da literatura de Jonathan Swift. Já é um sério candidato a pior do ano.

Green Hornet

Real.: Michel Gondry / Int.: Seth Rogen, Cameron Diaz

Pontuação – ***

Um dos enésimos exemplos em que os autores independentes necessitam de projectos mais comerciais para atingir um maior numero de publico. Michel Gondry, o homem por detrás de Eternal Sunshine of a Spotless Mind e de Be Kind Rewind, reavive o nostálgico programa de rádio que se converteu numa série de televisão que celebrizou o actor Bruce Lee. Este “remake” é um arquétipo básico de um filme de super-heróis, e contendo um vilão bem carismático, o grande Christoph Waltz. O seu maior defeito é o protagonista, Seth Rogen e os seus adereços egocêntricos, de resto é uma fita bem divertida para um bom par de horas.

DVD


O Eterno Solteirão

Real.: Brian Koppelman, David Levien / Int.: Michael Douglas, Susan Sarandon

Através de más decisões, Ben Kalmen (Michael Douglas), um ex-vendedor de automóveis de sucesso perde o seu negócio. Para poder compensar de tal azar, o cinquentão decide então viver uma vida de eterno mulherengo. Um filme independente impagável que exibe um Michael Douglas no seu melhor e protagonista único de uma série de eventos que tornam esta obra num dos mais discretos e melhores filmes do ano passado.

Extras – Trailer

Fantasia

Real.: James Algar, Int.: Samuel Armstrong / Int.: Leopold Stokowski, Deems Taylor (Vozes)

Fantasia, uma obra-prima da animação de 1940, consiste numa perfeita harmonia entre música de orquestra, ao som dos intemporais clássicos da música internacional, e da visual animado mais criativo que o cinema nos deu no seu período de existência. Um dos espectáculos que ninguém neste mundo deve perder em DVD.

Extras – Museu Disney, Dylan e Cole Sprause acerca do Blu-Ray, Comentário Áudio do historiador Brian Sibley

ROBERT PATTINSON DÁ BANHOS A ELEFANTES, LITERALMENTE!

Decidido a fugir do seu papel milionário de vampiro Edward Cullen, o actor Robert Pattinson tem procurado outras formas de estabelecer um sucesso como profissional e não como “prisioneiro de um só filme”. Após Remember Me de Allen Coulter, o actor muito célebre entre as adolescentes se aventura na pretensiosa produção Water for Elephants, baseado no best-seller de Sara Gruen. Pattinson é um jovem aspirante a veterinário que após a trágica morte dos seus pais decide procurar uma nova oportunidade, trabalhando num circo ambulante.
Dirigido pelo aclamado Francis Lawrence (I Am Legend, Constantine), a fita que tem estreia marcada no nosso país para dia 5 de Maio conta ainda com o vencedor do Óscar, Christoph Waltz (Inglourious Basterds, The Green Hornet), Reese Witherspoon (Legaly Blonde, Walk the Line) e Hal Holbrook (Into the Wild).

Trailer:

Este artigo foi escrito por em 10 Fev, 2011, e está arquivado em Cinema. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: