« TextmyFood: Tecnologia SMS em restaurantes e bares You’re Winner (I): Big Rigs Over The Road Racing »
18/01/2011
Escrito por em Mundo | 1.948 Leituras

Mais uma vez, a Google está na boca do mundo, mas desta vez não é por boas razões, devido à sua decisão de deixar de oferecer suporte para o codec de vídeo H.264 via HTML5 no navegador Chrome….

O que aconteceu é bastante parecido com a jogada da Apple, que bloqueou o Flash no iOS no ano passado, e na altura a acção gerou agitação e pânico. O HTML5 ainda está a ser discutido pelo W3C. Para já, ainda não foi possível chegar a um consenso sobre o codec que será adoptado oficialmente para que os navegadores exibam vídeos. O H.264, defendido pela Apple, ganha cada vez mais fama para ser a opção, o único problema é que requer o pagamento de royalties.

A Google aponta para WebM, que é gratuito, como solução, mas há discórdia por parte de um grupo de pessoas que até já decidiu protestar. Se não houver consenso, a única solução serão os sites com vídeos a coloca-los em vários formatos, o que irá dar trabalho extra e consumirá bastante espaço.

A Google adoptou o discurso defensor de uma Internet mais aberta, embora não esconda o lado financeiro em questão. O WebM é muito mais vantajoso para a empresa, uma vez que diminuirá os custos do Youtube no futuro. Com tudo isto é provável que em pouco mais de um ano o Firefox e o Opera tenham somado a maior parcela de internautas porque suportarão os vários formatos.

Quem paga, ou neste caso quem é prejudicado, somos nós todos que com esta disputa ficamos há espera de uma solução seja ela qual for.

Este artigo foi escrito por em 18 Jan, 2011, e está arquivado em Mundo, Notícias, Tecnologia. Siga quaisquer respostas a este artigo através do RSS 2.0. Você pode deixar uma resposta ou fazer um trackback do seu próprio site.

Todo e qualquer texto publicado (posts e/ou comentários) na Internet através deste sistema não reflecte, necessariamente, a opinião deste blog ou do(s) seu(s) autor(es). Os utilizadores que optarem por escrever um comentário no campo apropriado para tal comprometem-se, por sua vez, a não transmitir ou divulgar ameaças, pornografia infantil, material racista, textos que sejam ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou viole a legislação em vigor no país. +Informações na página de Termos & Condições de Utilização.

Artigos Relacionados
4 comentários em “Google segue passos da Apple e veta codec H.264”
  1. Apesar de perceber o ponto de vista financeiro da google concordo com eles…

  2. Olá Hugo,

    Esta decisão da Google é catastrófica, na prática voltamos a estaca zero, sinceramente não percebo o porque, não é só o valor financeiro parece-me que há aqui teimosia pelo meio.

    É incompreensível que depois de terem recodificado todos os vídeos que estavam no YouTube para H.264, agora voltem a fazê-lo para o WebM.

    Isto é uma corrida perdida para a Google, o H.264 já esta demasiado estandardizado, apoiado por centenas de milhões de utilizadores da linha iPod, iPad e iPhone, escolhido para televisão digital terrestre e portanto já introduzido dentro de boxes e TVs, já é demasiado tarde para mudar.

    Apple e Microsoft a puxar para o H.264, Google para o WebM e Firefox e Opera para o Theora, é uma desgraça, como bem disseste quem paga a factura são os web designers e os utilizadores, que nunca mais se vêem livres dos malfadados plugins, mais o mais engraçado é que nenhum dos codecs está isento de problemas de patentes, aquele que vingar será massacrado com processos em tribunal, enfim.

    Abraço. :)

  3. Bom coment Pedro :wink:

Deixe o seu comentário

(obrigatório)

(obrigatório e não será publicado)



:wink: :-| :-x :twisted: :) 8-O :( :roll: :-P :oops: :-o :mrgreen: :lol: :idea: :-D :evil: :cry: 8) :arrow: :-? :?: :!: